Providência do Boavista vai ser analisada

Boavista contesta decisões saídas na reunião do Conselho de Justiça. Paços de Ferreira e Federação Portuguesa de Futebol têm dez dias para apresentar argumentos.

O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto (TAFP) decidiu analisar a providência cautelar intreposta pelo Boavista. Isto significa que agora vai convidar Paços de Ferreira e Federação Portuguesa de Futebol a apresentarem argumentos - têm dez dias para o fazer. E só depois se decidirá se aceita suspender ou manter a decisão do Conselho de Justiça da FPF.

"Fomos hoje [ontem] notificados. Agora temos de aguardar para ver o que acontece", disse ao DN Adelina Trindade Guedes, responsável pelo pelouro jurídico da SAD do Boavista. "Recordo que nunca fomos notificados de que vamos jogar na I Liga ou II Liga, apenas fomos notificados pelo Conselho de Justiça de uma decisão que nós consideramos não existir", acrescentou a advogada.

Adelina Trindade Guedes considera-se optimista: "Não me parece que a FPF avance com o estatuto de interesse público neste momento, uma vez que espera o resultado do inquérito à reunião do CJ, que está a ser conduzido pelo Professor Freitas do Amaral [e que deve estar concluído a 23 de Julho]", alegou. "A providência cautelar não toca a questão de fundo, alega que a decisão não existe porque se tratou de uma reunião informal", remata.

A jurista adiantou ainda que nesta fase em que o TAFP analisará a providência podem ser aduzidos novas testemunhas, algo que o Boavista está a pensar fazer, de resto.

Um dos cenários possíveis seria a determinação do CJ se reunir e analisar novamente o processo "Apito Final", que decorre do "Apito Dourado" e que para já aponta ao Boavista a II Liga (além de suspensões a vários dirigentes, como Pinto da Costa, presidente do FC Porto). "É mais uma forma de empatar uma decisão que já estava tomada. Mesmo que os conselheiros se voltem a reunir, acho que a decisão é esta. Não há volta a dar-lhe", reagiu Fernando Sequeira o presidente do Paços de Ferreira (ficaria na I Liga se o Boavista descesse). "Não sei o que a Federação vai fazer, mas se invocar o interesse público, então é o Paços de Ferreira que fica na Liga", concluiu.

A Federação, porém, apenas disse que até ao fecho dos seus serviços ainda não tinha sido notificada de qualquer decisão do tribunal e que, por isso, não fazia comentários.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG