Juiz considera "importante" depoimento de Carolina Salgado

Carolina Salgado foi ontem formalmente inquirida como testemunha pelo juiz de instrução do processo " Apito Dourado ", Pedro Vieira, no Tribunal de Gondomar. A conversa, ao contrário do que foi divulgado, não foi "informal". Carolina Salgado prestou declarações perante o juiz e "sem a participação dos sujeitos processuais", segundo o despacho do magistrado. Pedro Vieira considerou o seu depoimento "importante para a descoberta da verdade".

De acordo com o despacho de Pedro Vieira "é de esperar que a cidadã Carolina Salgado possua conhecimentos que, expressos através do seu depoimento, possam auxiliar na descoberta da verdade". E ao juiz, segundo o teor do documento revelado pelo jornal onlinePortugaldiário,interessou-lhe, sobretudo, as "relações pessoais" entre o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e dois arguidos do processo, Valentim Loureiro e Pinto de Sousa, ex-presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol.

Aliás, no livroEu, Carolina, a ex-companheira de Pinto da Costa escreveu: "Sempre que, durante um jogo, o Jorge Nuno achava que o árbitro tinha prejudicado o FC Porto, ligava ao senhor José António Pinto de Sousa, presidente do Conselho de Arbitragem, que lhe atendia o telefone, começando por manifestar a sua indignação perante a incompetência do árbitro, mas acabando sempre por marcar um jantar para fazer as pazes."

A ex-companheira de Pinto da Costa esteve ontem em Gondomar após ter sido notificada pelo Ministério Público. Mas, a diligência acabou por ser cancelada, uma vez que as investigações sobre as certidões que foram extraídas do processo foram condensadas nas mãos da procuradora Maria José Morgado, a quem cabe agora decidir o que fazer. Tal como o DN avançou no sábado, Carolina Salgado será ouvida em Lisboa pela equipa da magistrada que o procurador Geral da República, Pinto Monteiro, nomeou para coordenar as investigações sobre os casos que "nasceram" do processo Apito Dourado . Além de ter prestado declarações no processo que está na fase de instrução - e que diz respeito aos jogos do Gondomar SC na II Divisão B -, Carolina Salgado conversou informalmente com o procurador Carlos Teixeira.

Carolina Salgado chegou ao Tribunal de Gondomar pelas 10.15, conduzindo o seu BMW X5, na companhia do seu advogado, José Dantas, e da irmão deste. Por não encontrar estacionamento por várias vezes rodeou as instalações judiciais, tendo depois deixado a viatura no parque junto à esquadra da PSP. Foram os agentes que depois transportaram Carolina em carro policial até ao Tribunal, "privilégio" que a população que à porta das instalações judiciais contestaram. A opinião dos populares dividia-se. Se alguns gritavam que Carolina era "uma grande mulher", outros insultavam-na.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG