Gripe Suína: Testes para despiste de vírus a 2 doentes

O director-geral da Saúde disse hoje que estão em curso testes laboratoriais a dois doentes em Portugal para despiste de uma série de vírus, incluindo o da gripe, sendo um deles uma criança internada no Porto.

O responsável do Ministério da Saúde garantiu, em declarações aos jornalistas, no Parlamento, que "não são casos suspeitos" de gripe suína e que "não existe em Portugal qualquer caso confirmado" até ao momento.

"Consideramos que não há casos suspeitos. Ou há casos ou não há casos e neste momento não existem", disse Francisco George, explicando que estes testes enquadram-se na actividade médica normal para despiste de várias doenças, cujo diagnóstico não é imediatamente perceptível.

No final de uma audição na Comissão Parlamentar da Saúde, especificou que se trata de um diagnóstico diferencial em que um médico procura uma resposta, entre várias causas possíveis, para o mesmo quadro de sintomas.

Desde o dia 24 de Abril, momento em que se começou a falar mais sobre a gripe suína em Portugal, explicou, foram realizados cerca de dez estudos a doentes com quadros infecciosos e com sintomas compatíveis com a gripe.

"Estamos a falar de testes de laboratório que visam identificar uma determinada infecção e estes testes vão permitir saber qual o vírus que explica esse quadro ou até mesmo qual a bactéria", frisou.

Relativamente à criança internada no Hospital de S.João, no Porto, o responsável disse que "tudo indica não ser um caso de gripe".

"Trata-se de uma criança, filha de emigrantes nos EUA, que adoeceu com febre e o médico considerou que tinha de ter testes laboratoriais para continuar a marcha geral do seu pensamento de diagnóstico", disse.

"Entretanto no plano clínico já foi diagnosticada (a esta criança) outra entidade clínica. A questão será motivo de esclarecimento por parte do Hospital de S.João", adiantou.

No caso em estudo a natureza é, provavelmente, bacteriana, disse.

Aos deputados, o director-geral da Saúde afirmou ainda que, a surgir um caso de gripe suína em Portugal, será sempre um caso importado e não resultante de uma cadeia de transmissão em Portugal.

"Temos de distinguir o que é a transmissão em cadeia e o que é um caso importado", afirmou Francisco George na Comissão Parlamentar de Saúde, onde foi ouvido sobre a gripe causada pelo vírus H1N1.

No Reino Unido há dois casos confirmados, em Espanha há outros dois e na Alemanha há três, mas todos eles são importados e não resultam de transmissão interna, exemplificou.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou no sábado para o "potencial pandémico" do novo vírus da gripe suína, que teve origem na estirpe animal do vírus H1N1, tendo surgido no México.

O vírus - raro segundo as autoridades sanitárias - transmite-se de pessoa para pessoa, tendo sido descoberta uma fonte de transmissão aviária, duas suínas e uma humana.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG