Turismo surpreende e põe Portugal a crescer mais do que a Europa

Portugal cresceu 1,6% no terceiro trimestre, puxado pelas exportações. Dados do investimento só serão conhecidos no fim do mês

Foi uma surpresa. O produto interno bruto (PIB) de Portugal cresceu 1,6% no terceiro trimestre deste ano (0,8% em relação aos três meses anteriores), superando largamente as expectativas. O consumo privado deu um forte impulso, traduzido em números recorde do crédito a particulares. Mas o maior contributo veio do turismo - deu o efeito "surpresa" que as exportações precisavam para despontar. Governo aplaudiu os números; Marcelo mostra cautela.

Todos os analistas, da Católica ao ISEG, antecipavam um crescimento homólogo entre 1% e 1,3% no último trimestre, o que poderia dificultar o cumprimento da meta de 1,2% traçada por António Costa para 2016. Agora, realça, Filipe Garcia, do IMF, está "novamente em aberto a possibilidade de Portugal crescer acima de 1%".

Mas porque erraram as previsões? No caso da IMF, a expectativa apontava para um crescimento em cadeia entre 0,1% e 0,3% que, afinal, acabaria por se fixar em 0,8%. "O que posso especular, porque só podemos especular, é que foi um trimestre em que o turismo, que já esperávamos vir a ter uma boa prestação, tenha sido mesmo muito bom e admito que as exportações tenham conseguido um destaque maior com muito menos importações." Há ainda um outro fator: a refinaria de Sines, que nos primeiros meses do ano esteve parada, voltou à operação, impulsionando as exportações.

"Indubitavelmente são boas notícias, mas é preciso perceber se esta subida tem significado, se é relevante, se é repetível, se é sustentada e equilibrada entre as variáveis que compõem o PIB", lembra Rui Bárbara, gestor de ativos do Banco Carregosa ao Dinheiro Vivo.

A estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística ainda não detalha o comportamento de todas as variáveis. Mas o INE destaca a "aceleração do consumo privado", assente sobretudo na aquisição de bens não duradouros e serviços, e o avanço mais expressivo das exportações em comparação com as importações. Para conhecer o comportamento de outros indicadores, como o investimento, por exemplo, só no dia 30 deste mês com a divulgação final dos dados.

"É incerto se o investimento vai ou não acompanhar a tendência global mais positiva. Diria que possivelmente ainda não, dada a leitura da alguns indicadores parcelares. Mas é positivo que as exportações continuem gradualmente a ganhar tração, dada a dimensão da economia portuguesa. Mais tarde, à medida que esta evolução permita o esgotamento da capacidade produtiva instalada, esta trajetória dará lugar à retoma do investimento", considera Paula Carvalho, economista-chefe do BPI, que se mostrou positivamente surpreendida. "Para nós foi uma surpresa, [o avanço] foi bastante positivo e significa que não será necessário crescer tanto no último trimestre do ano para o governo atingir os objetivos orçamentais para este ano. Este cenário não é isento de ses, dado que os riscos globais no próximo ano - brexit e política económica de Trump, por exemplo - são significativos. São sobretudo de natureza política e o seu impacto na atividade económica é incerto."

Com este crescimento de 0,8% em relação ao segundo trimestre deste ano, em que as exportações são o grande motor, em detrimento do consumo privado, que até cai, Portugal é o país da zona euro que mais cresce. Apenas a Bulgária teve um crescimento igual ao de Portugal. Espanha, Holanda e Eslováquia surgem perto, com um crescimento de 0,7%. A Alemanha desacelerou.

O governo aplaudiu os resultados. Em Bruxelas, Augusto Santos Silva diz que recebeu os números do INE com um "enorme sorriso" e, por cá, José Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Segurança Social, arrisca já o desenho para o fecho do ano: "Coloca-nos muito provavelmente acima da última estimativa do governo e claramente acima das estimativas das organizações internacionais. Ora, isso tem um papel absolutamente decisivo para o nosso futuro de curto prazo e para o futuro de médio/longo prazo", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa é mais cauteloso: "Eu tinha dito uns tempos atrás que havia razões para esperar uma boa execução orçamental e porventura sinais em matéria de economia. Vamos ver é se se mantém até ao fim do ano", concluiu o Presidente da República.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG