Suspensão de voos para Venezuela pode custar 10 milhões de euros à TAP

Suspensão de voos para a Venezuela, com a duração de 90 dias, poderá ter impacto direto de 10 milhões para a TAP.

Durante a apresentação de resultados de 2019 do grupo TAP, Antonoaldo Neves indicou que a suspensão de voos para a Venezuela pode custar dez milhões de euros à empresa.

O governo venezuelano tomou a decisão de suspender os voos da TAP para a Venezuela, acusando a companhia aérea de ter permitido a um familiar de Juan Gaidó viajar com explosivos a bordo. Questionado sobre o tema, o responsável da empresa refere que a "TAP cumpre sempre [as regras de segurança], a ANAC aqui inspeciona-nos e já verificámos todos os procedimentos daquele voo". Caso isso não tivesse acontecido, a companhia aérea "seria multada e teria a licença revogada".

Antonoaldo Neves refere que o potencial prejuízo resultante da suspensão de 90 dias contabiliza a atividade de "reacomodar os passageiros e pagar compensações" necessárias. No final, o responsável refere que pretende saber "quem vai pagar a conta."

Ainda assim, refere que tem outras preocupações em mente. "Estamos suspensos durante 90 dias. São dois voos por semana, para os EUA são 80. Estou mais preocupado com esses."

"No fundo é um vexame para Portugal. Acho que não têm ideia da repercussão negativa que dá sobre a imagem da marca da TAP noutros países." Antonoaldo Neves refere que o potencial prejuízo de "dez milhões é direto", mas ainda não sabe avaliar os custos indirectos.

Sobre a possibilidade de uma redução da suspensão, prefere "não especular", mas garante que "não esperava de um país uma decisão destas".

Desde o início desta semana que a companhia aérea está a redirecionar os passageiros com destino a Caracas para outras companhias aéreas.

Cátia Rocha é jornalista Dinheiro Vivo

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias