Sonangol admite sair do BCP ou analisar fusão com outro banco

O CEO da petrolífera angolana afirmou, em entrevista à Reuters, que está disponível para avaliar uma fusão do BCP com outro banco.

O presidente-executivo da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, afirmou que a petrolífera angolana está aberta à possibilidade de sair do capital do Millennium bcp e admite que pode também vir a avaliar uma eventual fusão do BCP com outro banco.

Com uma participação de quase 20% no maior banco privado português, a Sonangol é o segundo maior acionista do BCP, depois da chinesa Fosun.

"No caso do Millennium bcp estamos a monitorar o seu desempenho. Se se apresentar uma boa oportunidade para desinvestimento, iremos avaliá-la e fazer as recomendações que se afigurarem as mais acertadas para o contexto e necessidades da Sonangol", afirmou o CEO numa entrevista à Reuters, publicada esta quarta-feira.

"A Sonangol está a acompanhar os movimentos eventuais de consolidação bancária em Portugal e, caso surja alguma oportunidade, o assunto será avaliado com os outros parceiros investidores no Millennium bcp", acrescentou.

No caso da posição na Galp Energia, Martins disse que a Sonangol pretende "definitivamente manter" a sua participação indireta na empresa energética portuguesa. Disse ainda que espera recuperar o controlo da participação que detinha conjuntamente com o falecido marido da antiga CEO da Sonangol, Isabel dos Santos, no coração de uma batalha judicial em Amsterdão.

Martins apelou à Galp a investir mais em Angola, não só no 'upstream', mas também no 'downstream' onde já são parceiros.

Acrescentou que a Sonangol tem em curso a venda de um edifício que localizado na principal avenida de Lisboa, além de um hotel e centro de convenções em Luanda, e pretende alienar participações nas empresas petrolíferas estatais da Costa do Marfim, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG