Setor da cortiça reforça liderança mundial

Neste terceiro painel da nova rubrica de análise, com o apoio da informação Iberinform, são avaliadas as forças e fraquezas do negócio da cortiça.

No atual contexto económico, uma análise flash aos principais setores de atividade da economia, focando ameaças, oportunidades, fraquezas e forças, e apontando tendências. Um retrato do desempenho de 2020 face a 2019.

No diagnóstico, analisando os pontos fracos e ameaças, a cortiça sofreu um impacto moderado da pandemia, com quebra do volume de negócios das exportações de menos 4,7% em 2020 (-0,3% em 2019). Existem ameaças aos montados que urge minimizar (incêndios, outras culturas, pressão urbana).

Nos pontos fortes e oportunidades, saliente-se que Portugal reforçou a sua liderança mundial com uma quota das exportações mundiais a subir para 62,7% em 2020 (61,4% em 2019).

O peso nas exportações de bens de Portugal também aumentou para 1,88%, e o contributo positivo para a balança comercial aumentado para 82% das exportações em 2020.

A taxa de margem de segurança de 11,8% em 2019, indicava um risco económico baixo, uma capacidade de resiliência à quebra das exportações em 2020, com o tempo de paralisação crítico de rutura de tesouraria (quatro meses) a ser superior ao estimado de 0,6 meses, correspondente à quebra de negócios de exportação.

A cobertura do capital alheio remunerado em apenas 0,6 anos de EBITDA recorrente extrapolado, manifesta um risco financeiro muito baixo.

As empresas com risco de incumprimento de pagamentos baixo representavam no final de 2020, 46% do total das empresas.

No prognóstico, salientam-se as vulnerabilidades ligadas às cadeias de valor mundiais a que a cortiça está ligada, entre elas as bebidas muito fragilizadas pela pandemia, como também a resiliente construção, lar e moda, pressionadas pela continuidade da pandemia em 2021.

Em relação às potencialidades, saliente-se que as empresas/grupos da cortiça têm realizado um esforço notável para diversificarem as cadeias de valor e clientes, e resistirem com sucesso aos materiais artificiais sucedâneos, graças à investigação e desenvolvimento, que tem permitido realizar as potencialidades notáveis da cortiça como isolante natural do fogo, do calor, do ruído, que lhe abriu portas às dimensões de navegação espacial.

As ameaças ao nível do montado têm um grande potencial para serem revertidas, nomeadamente pela sua elevada importância como ecossistemas que fortalecem as cadeias de valor alimentar, turística, cultural e ambiental.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG