Portugal é o terceiro país com maior peso de impostos na luz

Peso das taxas e impostos na fatura de eletricidade dos consumidores portugueses aumentou em 2020 face ao ano anterior. Só a Dinamarca e a Alemanha têm um peso maior.

Portugal regista o terceiro maior peso de taxas e impostos na tarifa final de eletricidade para o consumidor doméstico. O país é apenas ultrapassado pela Alemanha e pela Dinamarca, segundo a ERSE - Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. "A componente de taxas e impostos é a terceira mais elevada da Europa, essencialmente devido aos designados custos de interesse económico geral (CIEG), que resultam de opções de política energética e que representam 28% do preço final", refere no seu último boletim com a comparação de preços de eletricidade na União Europeia (UE).

Relativamente a Portugal, em 2020 o peso da energia foi de 33,0%, a rede representou 20,5% e, por último, as taxas e impostos representaram 46,5% do preço de venda ao consumidor final. Trata-se de um agravamento na componente de taxas e impostos de energia face ao peso que ambas as componentes tinham na tarifa final no ano de 2019, que eram de, respetivamente, 44,8% e 32,8%.

Quanto à componente de energia e redes, mantém-se entre as mais reduzidas da União Europeia, correspondendo a 53% do preço final. Os dados são referentes a 2020 e apontam ainda que, relativamente à média da UE-27, a energia representou 30,7%, a rede 29,0% e os impostos e taxas 40,3%.

Malta foi o país que registou o valor mais elevado na componente energia (74,7%), Hungria na componente da rede (43,7%) e Dinamarca nos impostos e taxas (67,1%).

Segundo os dados divulgados no mesmo boletim da ERSE, para os consumidores domésticos os preços da eletricidade, incluindo taxas, em 2020 na UE-27, foram mais elevados na Alemanha (0,302 euros por kWh), Dinamarca (0,283 euros por kWh) e Bélgica (0,275 euros por kWh).

Os preços da eletricidade mais baixos registaram-se no Leste Europeu, designadamente na Bulgária (0,099 euros por kWh), Hungria (0,102 euros por kWh) e Estónia (0,126 euros por kWh).

Portugal ocupou a oitava posição (0,213 euros por kWh).

Elisabete Tavares é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG