Pedro Ferraz da Costa: "Este é o pior Orçamento do Estado dos últimos anos"

O presidente do Fórum para a Competitividade considera que "o Governo perdeu completamente a noção da realidade quando começou a ir atrás" do PCP e do BE.

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, considerou esta quarta-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) como a "pior dos últimos 20 anos", acreditando que o seu chumbo "não é um problema".

"Este Orçamento do Estado é o pior dos últimos 20 anos. Para nós não é um problema que seja chumbado", referiu Pedro Ferraz da Costa à entrada da conferência sobre o OE2022 que está a decorrer em Lisboa, promovida pelo Fórum para a Competitividade.

O presidente do Fórum para a Competitividade considerou ainda que "o Governo perdeu completamente a noção da realidade quando começou a ir atrás" do PCP e do BE e com medidas que "afetam seriamente a competitividade das empresas" numa altura de retoma da economia e em que existe ainda muita incerteza.

Questionado sobre o clima de instabilidade política que pode resultar do chumbo da proposta orçamental, Ferraz da Costa acentuou que o país já vive em instabilidade politica "a partir do momento" em que há "um Governo que é gerido com base" em impulsos anuais de aprovação do Orçamento do Estado.

"Isso não é estabilidade, é instabilidade política", precisou, adiantando que a negociação da aprovação do OE na "praça pública" é um "espetáculo mau" e que se este OE for aprovado "não reforça a credibilidade" da solução governativa.

Reiterando que não vê com preocupação o chumbo do OE, Ferraz da Costa referiu alguns dos aspetos que, na sua opinião, fazem deste Orçamento o pior dos últimos anos, anotando as medidas fiscais e também a ligação às propostas de alteração da legislação laboral, criticando a possibilidade de se reverterem mudanças introduzidas durante o período da 'troika'.

Já na abertura da conferência, o presidente do Fórum para a Competitividade, afirmou: "O chumbo do Orçamento e a realização de eleições antecipadas é, pelo menos para mim, um motivo de esperança".

O responsável adiantou ainda que este desfecho terá "a vantagem" de permitir queimar uma etapa.

O debate na generalidade do OE2022 arrancou esta terça-feira e prossegue hoje, culminando com a votação da proposta orçamental, numa altura em que o número de votos contra impede a sua aprovação.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG