Mind the Mom. Uma a app para ajudar grávidas em tempo de pandemia

O projeto é da Universidade de Coimbra e procura minimizar os desafios relacionadas pandemia de covid-19 e as suas implicações para o bem-estar das grávidas que passam pela alteração das rotinas de seguimento obstétrico e preparação para o parto, às limitações à presença de acompanhantes na gravidez.

Os primeiros resultados do projeto "Mind the Mom" mostram a perceção de utilidade e satisfação das utilizadoras com uma intervenção online para a saúde mental perinatal durante a pandemia de covid-19, em formato de aplicação móvel.

O projeto visa minimizar os desafios que advêm da pandemia de covid-19 e as suas implicações para o bem-estar das grávidas: alteração das rotinas de seguimento obstétrico e preparação para o parto, limitações à presença de acompanhantes na gravidez e no pós-parto e incerteza relativamente ao presente e futuro próximo.

O trabalho foi conduzido por uma equipa do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC). Houve também uma colaboração com o Serviço de Obstetrícia A do Departamento de Ginecologia, Obstetrícia, Reprodução e Neonatologia e a Unidade de Psicologia Clínica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O ponto de partida é uma intervenção psicológica breve, através da tal app, com informação, exercícios e estratégias terapêuticas cognitivo-comportamentais com evidência na promoção da saúde mental da grávida, adaptadas ao contexto da pandemia e a outras situações de risco similares.

Até ao momento participam no estudo 225 grávidas; entre as utilizadoras da app, "cerca de 81% consideram-se muito satisfeitas ou extremamente satisfeitas, 74% classificam-na como muito útil ou extremamente útil, 87% tencionam aplicar as informações e exercícios sugeridos na sua rotina, 88% pretendem voltar a utilizar a app e 92% recomendariam a app a outras grávidas", explica em comunicado Anabela Araújo Pedrosa, coordenadora do estudo, que é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da 2ª edição da ação RESEARCH4COVID19.

A app Mind the Mom, desenvolvida em parceria com a Hypsoftware e o músico Miguel Falcão, está disponível para os sistemas Android e iOS. É composta por cinco módulos, que exploram "o impacto do stress e incerteza na saúde, autocuidado e gestão do stress, reconhecimento e gestão de emoções desconfortáveis, lidar com pensamentos negativos, mindfulness e autocompaixão e comunicação interpessoal. Em cada um é possível encontrar informação e exercícios práticos, que facilmente podem ser introduzidos nas rotinas diárias das participantes", explica a investigadora do CINEICC e psicóloga clínica na Maternidade Daniel de Matos do CHUC.

(vídeo da app)

Cerca de 82% das participantes no estudo refere que os módulos são fáceis de utilizar e 73% que os conteúdos são relevantes. No que respeita à utilidade de cada módulo proposto, considerando as categorias útil, muito útil - a mais selecionada - ou extremamente útil, a avaliação das utilizadoras situa-se nos 93% (módulo 1, gestão de stress e autocuidado, e módulo 3 - lidar com pensamentos pouco úteis), 95% (módulo 2 - reconhecer e lidar com emoções desconfortáveis), 97% (módulo 4 - mindfulness e autocompaixão) e 99% (módulo 5 - comunicação interpessoal).

A aplicação móvel continua disponível para as grávidas de todo o país também pela página do projeto: https://mindthemom.pt/. Só após o preenchimento de um questionário, será enviado o link para download da app Mind the Mom.

Este projeto de investigação é parceiro da iniciativa World Maternal Mental Health Day, um consórcio de instituições dedicadas à investigação e intervenção na saúde mental materna, que desenvolve ações que sensibilizam para a pertinência do investimento e atenção nesta área, e propõe um Dia Mundial da Saúde Mental Materna.

"Estima-se que globalmente 1 em 5 mulheres desenvolva perturbação emocional no pós-parto, sendo que mais de 75% não serão diagnosticadas ou não receberão tratamento adequado - isto é tanto mais grave quanto dados da investigação científica indicam que não receber tratamento adequado tem consequências negativas para a mãe, o bebé, a família e a sociedade em geral, influenciando negativamente os indicadores de desenvolvimento e de saúde", conclui Anabela Araújo Pedrosa.

jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG