Menos 12 mil carros vendidos em fevereiro. Tesla resiste, Renault afunda

O encerramento dos stands levou a nova queda. Em fevereiro, portugueses compraram menos 11 952 carros do que um ano antes.

No segmento dos ligeiros de passageiros é a única marca automóvel que consegue crescer nas vendas em fevereiro face ao mesmo mês do ano passado, indicam os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). A norte-americana Tesla vendeu mais 66 carros para 140 veículos no segundo mês do ano, o que representa um crescimento de 89%, considerando apenas os veículos matriculados. Mas também no acumulado de janeiro e fevereiro, a marca de Elon Musk cresce 45%, para 262 veículos.

A acompanhar o crescimento da marca 100% elétrica no conjunto dos dois primeiros anos está também a Lexus (5,2%) e a Aston Martin que em janeiro e fevereiro vendeu quatro veículos, quando no mesmo período do ano passado não vendeu qualquer unidade.

Apesar do crescimento da Tesla, os veículos elétricos de passageiros não escaparam à razia no mercado automóvel, tendo registado um decréscimo homólogo superior a 40%, de 815 unidades para 481 veículos. No entanto, houve um ligeiro aumento face a janeiro deste ano.

Já as vendas de híbrido plug-in atingiram quase mil unidades e no acumulado do ano representam quase 11% do total de vendas nos ligeiros de passageiros e mercadorias, enquanto os elétricos puros representam metade desse valor (5,4%).

Peugeot lidera

Em termos globais, a Peugeot liderou a venda de ligeiros de passageiros em fevereiro e no acumulado dos primeiros dois meses do ano. A marca francesa matriculou 1581 carros, um valor muito afastado do segundo classificado, a Mercedes que não conseguiu sequer chegar à fasquia do milhar de veículos, tendo vendido 853 unidades.

Em terceiro surge a também francesa Citroen com 811 carros e em quarto a Renault que se ficou pelos 575 veículos. A marca do losango que tem sido historicamente a mais vendida em Portugal, tem perdido mercado, valendo agora 6,9%, quando há um ano detinha uma quota de 13,8%.

Excluindo os carros de luxo (a Lamborgini não vendeu uma única unidade em fevereiro, por exemplo), a Mitsubishi foi a insígnia que registou a maior quebra homólogo (-96%). Acima de um decréscimo de 90% está também a Honda e na casa do 80% estão marcas como a Nissan ou a Lexus.

Em queda

No mês de fevereiro, as vendas de veículos de passageiros recuaram 59%, comparando com o mesmo mês do ano passado, revelou esta segunda-feira Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

"Em fevereiro de 2021 foram matriculados, pelos representantes legais de marca a operar em Portugal, 8311 veículos ligeiros de passageiros, ou seja, menos 59 por cento do que em igual mês do ano anterior", refere o comunicado da ACAP, acrescentando que "nos dois primeiros meses do ano as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 18 340 unidades, o que se traduziu numa variação negativa de 47,1 por cento relativamente a período homólogo de 2020."

O segmento dos ligeiros de passageiros foi o que sentiu maior impacto, que poderá ter explicação no encerramento dos concessionários automóveis desde a segunda quinzena de janeiro. As vendas de ligeiros de mercadorias recuaram 17,8% e apenas no segmento dos veículos pesados se verificou um crescimento de 19,2%.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG