Exclusivo Investimento em renováveis no Brasil "é só o início"

Ao lado do potencial petrolífero para "mais 50 anos" e da aposta no recém-liberalizado gás, vento e solar são prioritários para CEO da Galp.

Com os recursos que já tem identificados, "a Galp tem pela frente 50 anos de produção de petróleo no Brasil", mantendo o compromisso de não procurar novas reservas, conforme assumiu que faria, virando-se para fontes de energias limpas e tecnologia inovadora. E está também a viver um momento entusiasmante no gás - mercado recém-liberalizado no qual a energética portuguesa está a crescer com grande rapidez -, preparando-se para avançar com um investimento sério nas renováveis, também do lado de lá do Atlântico.

Se o mercado brasileiro é já muito relevante para o CEO, com a Galp a completar o top três das maiores produtoras petrolíferas de um país que é o sétimo maior exportador - e que deverá chegar a quinto antes de acabar a década -, Andy Brown encontra muito mais potencial no Brasil. Que passa grandemente pelo solar, mas também pelas eólicas, "por soluções híbridas inovadoras que possam combinar essas duas fontes" e até pelo potencial do hidrogénio.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG