IKEA deixa de publicar catálogo ao fim de 70 anos

O retalhista sueco deixa o seu catálogo de lado tanto na versão em papel quer digital

Sete décadas passadas desde a criação do famoso catálogo a IKEA anuncia agora que deixará de o publicar para adotar estratégias mais sustentáveis.

De acordo com comunicado, a IKEA "decidiu virar a página da sua história e tomou a decisão de se despedir do seu catálogo, tanto na versão impressa, como digital - olhando para o futuro com entusiasmo".

O catálogo de 2021, que está em distribuição desde o verão 2020, "será o último a ser distribuído", confirmou à AFP um porta-voz da Inter IKEA, Jakob Holmström.


"Esta decisão foi um processo natural, tendo em conta o comportamento do nosso consumidor e as novas formas de aceder à informação. Vamos continuar a interagir, sempre com inspiração para a casa, mas de novas formas.", afirma Konrad Gruss, Managing Director da Inter IKEA Systems.

Segundo o retalhista, o aumento das vendas online, que aumentaram 45% globalmente com o site a receber mais quatro mil milhões de visitas acentua a decisão perante a mudança de comportamento dos consumidores.

Lançado na Suécia em 1951 pelo fundador da IKEA, Ingvar Kamprad, a publicação, um dos documentos mais impressos no mundo, alcançou o recorde da distribuição em 2016, com 200 milhões de exemplares em cerca de 50 países e em 32 idiomas. O último catálogo contou com 40 milhões de cópias, acrescentou ainda Holmström.

"Todos adoramos o Catálogo IKEA e o nosso principal objetivo daqui para a frente é proteger e respeitar o seu legado no futuro", acrescenta Helena Gouveia, Country Marketing Manager da IKEA Portugal.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG