Hotéis: "Temos esperança de faturar alguma coisa"

Governo anunciou já um aligeirar das restrições para o período de Natal e Ano Novo. Apesar de o plano estar sujeito a avaliação dia 18, o líder da Associação dos Diretores de Hotéis acredita que pode ajudar o setor. O Algarve, por outro lado, está com poucas expectativas.

Não será uma passagem de Ano como no ano passado, com festa, dança, brindes, muita gente e diversão até de manhã. Mas os hotéis estão já a trabalhar para tentar atrair os que querem entrar em 2021 fora de casa, depois do anúncio pelo governo do levantamento de restrições na época festiva.

"Vemos com muito bons olhos" as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro no sábado, disse ao DN/Dinheiro Vivo, Raúl Ribeiro Ferreira, presidente da Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal. "Estamos todos a trabalhar nessas medidas sabendo que temos de adotar os cuidados" necessários devido à pandemia.

António Costa comunicou ao país que, na noite de 31 de dezembro a circulação entre concelhos está proibida, norma que se mantém em vigor até às 5 horas de 4 de janeiro de 2021. Além disso, a circulação na via pública na passagem de ano só é permitida até às 2 horas da manhã. E no dia 1 só é permitida até às 23 horas. A restauração pode funcionar no dia 31 de dezembro até à 1 hora. E no dia 1 de janeiro servir almoços até às 15h30. Estão proibidas festas públicas ou abertas ao público e ajuntamentos na via pública com mais de seis pessoas.

"O réveillon será sem a festa" de outros anos "e com mesas mais pequenas. Mas todos olhamos para isto com a esperança de faturar alguma coisa que nos possa empurrar para a frente mais um bocadinho, porque estamos numa fase de sobreviver", diz o representante dos diretores de hotéis. "É como se estivéssemos no deserto e encontrássemos uma poça", acrescenta.

Os hotéis nunca estiveram proibidos de vender quartos. No entanto, a falta de procura determinou que muitos tivessem fechado portas. O responsável adianta que o setor já tinha feito "algumas experiências de vendas nos canais mais diretos" para o período da passagem de ano quando ainda só existia a perspetiva de um alívio das restrições, já que a quadra natalícia é tipicamente passada mais em casa. "Tínhamos tido algumas respostas positivas" e agora que o anúncio foi feito, embora sujeito a avaliação a 18 de dezembro, "colocamos todas as máquinas a vender".

Apesar do aligeirar das restrições, o hoteleiro acredita que os principais ocupantes dos hotéis nessa quadra serão pessoas da região, cumprindo assim as regras. "As pessoas não vão afastar-se muito de casa. O que parece que [vai acontecer] é que os hotéis que têm a área de restauração muito desenvolvida vão tentar que as pessoas da terra optem pelos hotéis".

As expectativas do Algarve são contudo um pouco diferentes. Os portugueses são quem habitualmente mais ruma a Sul para dar as boas-vindas ao novo ano e dado que vai estar em vigor a proibição de mudança de concelho a partir da meia noite de 31 de dezembro e até dia 4, Elidérico Viegas não acredita que a hotelaria algarvia vá ter muita procura.

"Não se espera [que as medidas anunciadas] tenham impacto no aumento da procura no Algarve na época de fim de ano", disse o presidente da AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve.

"O fim de ano, tradicionalmente, é um período que se carateriza por uma procura dos nacionais. Algo que este ano não vai, infelizmente, verificar-se este ano. O aligeirar das restrições anunciado não é suficiente para motivar as pessoas a viajar e a virem passar o fim de ano ao Algarve", acrescentou.

Natal nos restaurantes?

No Natal será permitida a circulação entre concelhos e pode circular-se na via pública nos dias 24 e 25 de dezembro até às 2 horas do dia seguinte. No dia 26 é permitido circular até às 23 horas. Os restaurantes, segundo o primeiro-ministro, podem funcionar nos dias 24 e 25 de dezembro até à 1 hora. E no dia 26 podem servir refeições no próprio estabelecimento até às 15.30.

Tanto Elidérico Viegas como Raúl Ribeiro Ferreira nota que a época natalícia não é o mais relevante para o setor em dezembro. A passagem de ano, por outro lado, costuma ser mais apetitosa para o setor. No atual contexto de pandemia, e apesar do alívio de algumas medidas, o líder da associação de diretores de hotéis considera que "o Natal vai ser melhor para a restauração. Para os hotéis que trabalham com a área de restauração aberta ao público de uma forma independente, o Natal também vai ser importante" para ajudar na faturação.

Ana Laranjeiro é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG