Estão 150 navios parados no Canal do Suez

A passagem está temporariamente suspensa no Canal do Suez uma vez que há um navio, do tamanho de um arranha-céus, encalhado na zona.

A navegação no Canal de Suez está "temporariamente suspensa" até se conseguir desencalhar o navio porta-contentores que está a bloquear o tráfego marítimo desde quarta-feira, anunciou a Autoridade Egípcia do Canal de Suez.

O navio, do tamanho de um arranha-céus, parou o Canal de Suez, no Egito, quando, na noite de terça para quarta-feira, se atravessou devido a ventos fortes, sendo que, segundo as autoridades, já obrigou à paragem de 150 outros navios.

Esta quinta-feira estavam "13 navios na rota norte [vindos do Mediterrâneo] parados em áreas de espera", disse o porta-voz da Autoridade Egípcia do Canal de Suez (SCA), George Safwat.

Os esforços para libertar o "Ever Given", usando dragas, escavações e até a maré alta, ainda não conseguiram empurrar o porta-contentores para o lado, o que já custou milhões de euros a transportadoras de carga.

A empresa japonesa Shoei Kisen Kaisha, que anunciou esta quinta-feira ser proprietária do porta-contentores, admitiu que vai ser "extremamente difícil" desencalhá-lo e apresentou um pedido de desculpas por escrito pelo incidente.

"Estamos determinados a continuar o trabalhar arduamente para resolver a situação o mais rapidamente possível", referiu a Shoei Kisen Kaisha.

"Gostaríamos de pedir desculpas a todas as partes afetadas por este incidente, incluindo os navios que viajam e planeavam viajar pelo Canal de Suez", disse.

As autoridades recomeçaram, esta manhã, a trabalhar para libertar o navio, depois de pararem durante a noite, disse uma autoridade egípcia do canal.

O responsável, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar com jornalistas, disse que os trabalhadores esperam não ter de descarregar os contentores do navio, já que isso levaria dias.

Segundo a empresa que gere o "Ever Given", a Bernhard Schulte Shipmanagement, a tripulação de 25 membros do navio está segura e, de acordo com a Shoei Kisen Kaisha, já em terra, na Índia.

O navio tinha dois pilotos da autoridade do canal do Egito a bordo para guiá-lo quando encalhou, cerca das 07:45 de terça-feira, referiu a Bernhard Schulte Shipmanagement.

O acidente provocou um aumento do preço do petróleo Brent no mercado de futuros de Londres, devido aos receios em relação ao abastecimento internacional, ultrapassando já os 53 dólares por barril.

De acordo com o jornal de transporte marítimo Lloyd's List, por cada dia que o Canal de Suez estiver fechado perde-se mais de 7,6 mil milhões de euros em mercadorias que deveriam estar a passar pelo canal.

O encerramento pode afetar os embarques de petróleo e gás do Médio Oriente para a Europa, que dependem do canal para evitar ter de contornar o continente africano.

Um quarto de todo o tráfego diário do Canal de Suez são porta-contentores como o "Ever Given", disse o jornal.

Este foi o segundo grande acidente com o "Ever Given" nos últimos anos. Em 2019, o navio bateu num pequeno barco atracado no rio Elba, cidade portuária alemã de Hamburgo, um acidente explicado pelas autoridades com o vento forte que se fazia sentir.

O Canal do Suez, inaugurado em 1869, garante a passagem de 10% do comércio marítimo internacional, o que significou, em 2020, a passagem de cerca de 19 mil navios.

O estreito marítimo é uma fonte de rendimentos essencial para o Egito, que recebeu, no ano passado, 4,7 mil milhões de euros em taxas.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outras Notícias GMG