Défice volta a aparecer: 624 milhões de euros em novembro

Défice reflete pagamento por inteiro dos subsídios. Ainda assim, o défice até novembro é 1.425 milhões de euros inferior face ao período homólogo.

A execução orçamental em contabilidade pública indica que as contas voltaram a ser deficitárias. De acordo com uma nota do gabinete do ministro das Finanças, o sector público voltou a ter défice (624 milhões de euros no período de janeiro a novembro) depois de vários meses de excedentes.

Segundo a nota oficial enviada aos jornais, este saldo negativo está afetado pelo pagamento por inteiro dos subsídios de Natal a funcionários e pensionistas.

Ainda assim, o défice acumulado de janeiro até novembro é 1.425 milhões de euros inferior face ao período homólogo, o que é explicado por um crescimento da receita (5,4%) superior ao aumento da despesa (3,3%)", diz a tutela de Mário Centeno.

Recorde-se que o saldo público global passou de défice a excedente em setembro (boletim de execução orçamental publicado em outubro). Nessa altura, subiu até 1.338 milhões de euros no final do terceiro trimestre, "uma melhoria de 1.885 milhões de euros" face ao período homólogo, dizia então o Ministério das Finanças (MF).

No entanto, as Finanças repararam logo nesse dia que o saldo voltaria a cair e de forma abrupta com o pagamento na totalidade dos subsídios de Natal dos funcionários e dos pensionistas, cujo impacto pleno aconteceria em novembro e dezembro. É o que já está a acontecer.

Na nota divulgada esta sexta-feira, o ministério repete que "a receita traduz o crescimento da atividade económica e do emprego".

Até novembro, a receita fiscal do Estado cresceu 5,4%, destacando-se o aumento da receita do IVA (5,6%), do IRC (11,3%) e do IRS (4,3%). "Apesar da redução das taxas de imposto, em particular do IRS, a evolução da receita fiscal reflete o bom momento da economia portuguesa".

Por seu lado, o comportamento do mercado de trabalho está "visível no forte crescimento de 7% das contribuições para a Segurança Social".

"Forte aposta" nos comboios e na saúde

Apesar dos muitos problemas que têm vindo a público relativos ao serviço ferroviário e de saúde, marcados também por muitas greves e protestos, o governo continua a acenar com um "forte crescimento do investimento público explicado pelo Serviço Nacional de Saúde e ferrovia".

A nota de Centeno destaca "o crescimento muito elevado do investimento público na Administração Central de 33%, excluindo PPP [parcerias público-privado], para o qual contribuiu a aposta na ferrovia (+107%) e no setor da Saúde, com um crescimento de 35%".

(em atualização)

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outras Notícias GMG