CTT reabrem mais duas estações, com café e quisques para comprar raspadinhas

Eleva-se para 16 o número de estações dos correios que vão voltar a funcionar. Empresa quer levar novo conceito de loja a 90 das mais de 500 estações da rede. Os clientes vão poder beber um café e comprar uma raspadinha.

Os CTT preparam-se para reabrir na próxima semana mais duas das 33 estações de correio em sede de concelho. Ribeira de Pena, no distrito de Vila Real, reabre na segunda-feira, seguindo-se na sexta-feira, dia 18, a estação de Vila Velha de Ródão, no distrito de Castelo Branco. A reabertura surge num momento em que o operador postal avançou com um novo conceito de loja em Lamaçães, Braga. Até ao final do ano poderá beber um café, comprar um smartphone, enviar uma encomenda ou comprar uma raspadinha em quatro estações CTT. Em cinco anos, a empresa quer que até 90 estações, das mais de 500 existentes, acolham este novo conceito que visa diversificar a sua oferta de serviços.

A reabertura das estações em Ribeira de Pena e Vila Velha de Ródão eleva para 16 o número de lojas próprias em sede de concelho reabertas pelo operador postal, um compromisso assumido em junho do ano passado depois de a Anacom, o regulador do setor, ter alertado que havia 33 sedes de concelho no país sem uma estação dos CTT. O caso levou o governo a afirmar que a existência de uma estação em sede de concelho seria uma das condições no futuro contrato de concessão do serviço universal postal. O atual chega ao fim neste ano. "Não é uma condição o processo estar concluído antes das negociações do contrato de concessão. É um processo paralelo. Decidimos fazê-lo porque é uma assinatura de marca ter pelo menos uma loja CTT em cada sede de concelho", assegura António Pedro Silva, administrador dos CTT, com o pelouro da rede de retalho e da gestão de recursos humanos.

A reabertura de estações coincide com um momento em que os CTT acabam de revelar em Braga um novo conceito de loja: com máquinas automáticas que irão permitir aos clientes realizar alguns serviços, com área dedicada às empresas, mas também com nova oferta de serviços, como venda de equipamento eletrónico - fez uma parceria com a Playstation -, uma nova visibilidade à venda de bilhetes e adicionando raspadinhas à oferta. Até ao final do ano, a empresa quer levar este conceito, onde pode beber um café enquanto espera, ou aceder gratuitamente ao wi-fi (foi criado um espaço quase de cowork), até quatro lojas. "A ideia é ir adaptando os espaços a este novo conceito de acordo com a dimensão das lojas e à procura de cada uma. Esta oferta global no limite estaria em cerca de 80 a 90 lojas da rede própria", diz António Pedro Silva. Projeto que poderá estar concluído daqui a três ou cinco anos.

"Não nos desfocaremos da atividade principal dos CTT, mas todos reconhecemos que no correio tradicional há esta tendência natural de quebra, portanto é na diversificação dos negócios que os CTT procurarão manter a sustentabilidade da sua rentabilidade. Isto faz parte desse caminho, tal como fez o Banco CTT. É mais um dos eixos de desenvolvimento que a empresa tem e procuraremos explorá-lo de forma sustentada. A alavanca do expresso e dos envios também é crucial neste caminho, mas esta lógica do retalho insere-se na de diversificação", justifica o administrador.

Os CTT têm 551 estações de um total de 2379 pontos de acesso, sendo a maioria da rede constituída por postos de correio e serviços prestados por terceiros, nomeadamente juntas de freguesia, com quem a empresa tem vindo a discutir há largos meses um novo modelo de remuneração pela prestação do serviço postal. "Estamos em negociações aceleradas com a Anafre (Associação Nacional de Freguesias) para fecharmos rapidamente um acordo", adianta António Pedro Silva. Até final de outubro, a empresa quer também concluir a contratação dos 20% que faltam do total de 800 trabalhadores que pretendiam recrutar neste ano. "O processo está em andamento. Entre o final deste mês e o final do próximo, deverá estar concluído. Não há razão nenhuma para não concluirmos o processo como tínhamos anunciado."

Leia mais em Dinheiro Vivo

Mais Notícias