CP compra 22 novos comboios regionais com desconto de dez milhões

Suíços da Stadler baixaram preço das novas automotoras na última fase do concurso, de 168 para 158 milhões de euros. Primeira unidade pode demorar até quatro anos a entrar em circulação.

A CP conseguiu comprar 22 comboios regionais com desconto. A transportadora assegurou uma poupança de cerca de dez milhões de euros entre o início e o final do primeiro concurso de material circulante em praticamente duas décadas, confirmou o Dinheiro Vivo junto da empresa. A suíça Stadler venceu o concurso e tem até quatro anos para entregar a primeira unidade a contar da data do visto do Tribunal de Contas.

O preço-base deste concurso, lançado em janeiro do ano passado, era de 168,21 milhões de euros. Este era o montante máximo que a CP estava autorizada para a compra das dez automotoras elétricas e das 12 unidades bimodo, ou seja, que também podem circular em linhas não eletrificadas.

Sete meses depois, em julho, a fabricante suíça propôs vender os 22 comboios por 168,13 milhões de euros, menos 800 mil do que o preço-base. Como a Stadler passou para a fase final do concurso - como as espanholas CAF e Talgo - teve a possibilidade de chegar à fase de negociação e lançar nova proposta.

No início de dezembro de 2019, os suíços voltaram a apresentar uma nova proposta, agora de 158,14 milhões de euros, detalha fonte oficial da transportadora em resposta às perguntas do Dinheiro Vivo. O desconto de 9,9 milhões de euros ajudou o júri do concurso a escolher a Stadler - o fator preço tinha uma ponderação de 30 em cem pontos disponíveis.

Apesar de ter garantido a vitória em dezembro, a Stadler só assinou contrato com a CP em 21 de outubro, já depois do levantamento da impugnação por parte da CAF, um dos concorrentes derrotados, por alegado erro processual.

Os novos comboios regionais só deverão começar a circular em 2024 em linhas regionais como Douro, Oeste e ainda em Évora e Beja. Assim que chegar o primeiro comboio, os restantes 21 terão de chegar no espaço máximo de 22 meses.

A demora neste processo estragou o planeamento da empresa ferroviária nacional. A CP contava receber os primeiros novos comboios em 2023, já depois da recuperação de 70 unidades que estavam encostadas no Entroncamento, e de terminar o contrato para o aluguer de 24 automotoras a gasóleo à Renfe, congénere espanhola da CP.

O atraso no concurso, no entanto, vai obrigar a transportadora a prolongar, por mais dois anos, o aluguer dos comboios a Espanha, que custa, atualmente 7,5 milhões por ano, ou seja, 312 mil euros por comboio.

O atual contrato foi assinado em 2018 e termina no final de 2022. O aluguer de carruagens "evolui em função da entrada ao serviço do material circulante novo e recuperado e da inauguração das eletrificações", detalha a transportadora.

Que regionais a CP vai comprar?

Os suíços da Stadler levaram a vitória no concurso público para a compra de 22 novos comboios regionais da CP, com vantagem em todos os critérios de avaliação, sobretudo conforto, preço e tecnologia.

O Flirt 160 foi o modelo escolhido pela empresa suíça para entrar neste concurso. É um comboio regional com um só piso, que pode ser facilmente personalizado às necessidades da CP. Cada automotora terá três carruagens, com capacidade máxima de 375 passageiros, dos quais 214 sentados. A velocidade máxima por comboio será de 160 km/h (unidades elétricas) ou de 140 km/h (bimodo).

A compra dos 22 novos comboios regionais é independente da aquisição de 50 carruagens usadas à Renfe e de 129 novos comboios elétricos ao longo da próxima década: 62 para serviços urbanos, 55 regionais e ainda 12 unidades para o longo curso.

Diogo Ferreira Nunes é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG