CGD fecha primeiro trimestre com prejuízos de 38,6 milhões

O banco público está a divulgar as contas do primeiro trimestre

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) registou um resultado líquido negativo de 38,6 milhões de euros entre janeiro e março, uma melhoria face ao prejuízo de 74 milhões de euros no primeiro trimestre do ano passado.

"Os resultados estão em linha com o plano estratégico, revelam rácios de capital bastante adequados e uma boa evolução em termos de liquidez. Há também uma melhoria da margem e do produto bancário", afirmou Paulo Macedo, presidente executivo do banco público, durante a conferência de imprensa de apresentação das contas, em Lisboa.

Segundo a CGD, o resultado líquido do trimestre foi "impactado por custos não recorrentes de 58 milhões de euros (42,1 milhões de euros líquido de impostos)" e o "resultado líquido recorrente atingiu 3,5 milhões de euros".

Os custos extraordinários em causa têm a ver com o programa de pré-reformas e rescisões amigáveis que a CGD está a implementar.

A margem financeira cresceu 18,4% para 326,1 milhões de euros, graças ao menor custo de 'funding' (financiamento) do banco. O facto de a CGD ter deixado de ter de pagar os juros dos CoCo (obrigações convertíveis que tinham sido subscritas pelo Estado português) também ajudou nesta evolução.

As comissões líquidas baixaram 3,7% para 109 milhões de euros e os resultados de operações financeiras passaram de um valor negativo de 98 milhões de euros para 81 milhões de euros positivos.

Já o produto bancário avançou 65,2% para 490 milhões de euros.

Ao nível dos custos operativos houve um crescimento de 16% para 345 milhões de euros.

As provisões e imparidades subiram 35% para 113 milhões de euros.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG