Carlos Moedas sobre o Grupo Espírito Santo: "Não tinha poderes para agir"

Carlos Moedas, antigo secretário de Estado Adjunto de Passos Coelho, está esta terça-feira a ser ouvido na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

Carlos Moedas, antigo secretário de Estado Adjunto de Passos Coelho, reafirmou esta terça-feira que recebeu Ricardo Salgado em maio de 2014, mas frisou que não lhe cabia a si tomar decisões nem agir para tentar resolver as dificuldades financeiras do Grupo Espírito Santo (GES).

Moedas lembrou que reuniu com Salgado, antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES), para ouvir as suas preocupações sobre a situação no GES, frisando que se tratava de um problema numa empresa privada e que "não tinha poderes para agir".

"Era a minha função no Governo fazer alguma coisa sobre isso? Não era", declarou Moedas aos deputados.

Sublinhou que o Governo de Passos foi o único que disse "não" a Salgado. "Nós dissemos que não a Ricardo Salgado. Não há dúvida sobre isso", frisou.

O atual candidato do PSD à Câmara Municipal de Lisboa está hoje a ser ouvido na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução. O antigo governante foi chamado à comissão na sequência de uma proposta submetida pelo Partido Socialista.

Carlos Moedas foi convocado no âmbito de contactos que manteve com Ricardo Salgado nos meses que antecederam a resolução do banco, em agosto de 2014. O antigo governante já tinha sido ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o BES, tendo prestado esclarecimentos por escrito.

A audição de Moedas gerou críticas por parte do CDS, do PSD e da Iniciativa Liberal. O deputado social-democrata Duarte Pacheco afirmou que o PS está a fazer uma instrumentalização política da comissão.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG