Banco de Fomento vai ter mais 1.300 milhões de euros para apoiar empresas mais afetadas pela pandemia

Banco Português de Fomento vai contar com mais 1300 milhões de euros no próximo ano para apoiar as empresas mais afetadas pela pandemia.

"No que toca às empresas, este Orçamento prevê fortes apoios à capitalização e ao investimento, à inovação e simplificação. Vamos dotar o Fundo de Capitalização e Resiliência, gerido pelo Banco Português de Fomento, em mais 1300 milhões de euros provenientes do PRR, com vista à recapitalização das empresas mais afetadas pela pandemia", disse João Leão, ministro das Finanças, na conferência de imprensa de apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2022.

"O Orçamento para 2022 também prevê que o Banco de Fomento seja capitalizado em mais 250 milhões de euros para implementar o programa europeu InvestEU", acrescentou o governante.

João Leão explicou ainda que além destes mais de 1550 milhões de euros que estarão no Banco de Fomento, "contámos em 2022 com mais de 900 milhões de euros de apoios a fundo perdido para fomentar a inovação, digitalização e qualificações e descarbonização do tecido empresarial".

"Como reconhecemos o legado deixado pela pandemia ao nível do investimento, procuramos dar continuidade a políticas fiscais que incentivem o investimento por parte da empresas, lançando o novo Incentivo Fiscal à Recuperação que vai permitir deduzir à coleta de IRS até 25% dos investimentos realizados", disse o ministro, acrescentando que o "Governo dá também sequência à estratégia de eliminação progressiva do Pagamento Especial por Conta. E, com vista ao alivio dos encargos financeiros das empresas, eliminamos este ano definitivamente o Pagamento por Conta para todas as empresas".

Estas medidas representam 160 milhões de euros.

Ana Laranjeiro e jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG