As fraudes online mais comuns da Black Friday e como evitá-las

Esta altura é muito propícia a "phishing" e esquemas fraudulentos e os especialistas avisam que é preciso redobrar cuidados.

Na Black Friday, com a promessa de descontos também chega uma avalanche de tentativas de defraudar os consumidores online. A sexta-feira depois do Dia de Ação de Graças, com a tradição de reduções elevadas nos preços, é prolífica em esquemas maliciosos e "phishing" financeiro, pelo que os especialistas em segurança avisam para a necessidade de redobrar a atenção por estes dias.

De acordo com um novo estudo da Kasperky, o número total de ataques de "phishing" financeiros disfarçados de sistemas de pagamento online aumentou 208% no último ano, uma tendência que tende a agravar-se com a aproximação da Black Friday e das compras de Natal. E segundo a ESET, esta é uma das datas "em que os cibercriminosos se empenham em desenvolver campanhas bem elaboradas para enganar novas vítimas." A empresa de soluções de segurança chama-lhe "Black Fraude."

O principal recurso usado pelos cibercriminosos é o "phishing", um esquema de engenharia social que pode chegar através de email, SMS, WhatsApp, Telegram ou outro canal de mensagens. Mas a ESET detetou que está a acontecer um crescimento significativo de anúncios em websites e aplicações, e isso aumenta "consideravelmente" a quantidade de potenciais vítimas que vão cair na fraude.

Leia mais em Dinheiro Vivo, para saber quais são os esquemas a ter em conta para evitar problemas

Mais Notícias

Outras Notícias GMG