A importância da Andaluzia no intercâmbio luso-espanhol

Enrique Santos, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, analisa as relações económicas e comerciais entre a comunidade autónoma da Andaluzia e Portugal no âmbito da visita de Juan Manuel Moreno, presidente do governo da mais populosa das regiões espanholas.

Vale bem a pena destacar as relações económicas e comerciais entre a comunidade autónoma da Andaluzia e Portugal com motivo da visita oficial a Portugal do recentemente eleito presidente daquela Comunidade Autonómica espanhola, uma comunidade que pela sua dimensão tem um peso importante na economia espanhola e um papel importante como sócio comercial de Portugal, ocupando a quarta posição tanto como fornecedora como cliente no intercambio luso-espanhol.

Começaria por vincar que as relações comerciais entre a Andaluzia e Portugal têm-se caracterizado nos últimos anos por um dinamismo crescente tal como refletem as cifras oficiais relativas aos últimos cinco anos, onde as vendas totais espanholas a Portugal em 2015 superaram os 17.871,8 M€ (dos quais 1.824,8 M€ tinham origem na Andaluzia), em 2016 foram de 18.031,5 M€ (1.855,3 M€ da Andaluzia), em 2017 foram 20.042,4 M€ (2.113,1 M€ da Andaluzia), em 2018 de 21.297,6 M€ (2.079,3 M€ da Andaluzia) e no período janeiro-outubro de 2019 as vendas superaram os 18.267,1 M€ (1.674,4 M€ correspondem à Andaluzia). Regista-se portante um comportamento bastante regular.

Também na procura andaluza de produtos e serviços portugueses assistimos a estas regularidades conforme indicam as cifras de 2015 ano em que o mercado espanhol comprou a Portugal 10.880,0 M€ (dos quais 1.060,6 M€ foram compras andaluzas), em 2026 as compras espanholas subiram aos 10.903,3 M€ (952,6 M€ da Andaluzia) em 2017 11.064,5 M€ (1.026,9 M€ da Andaluzia) em 2018 11.674,9 M€ (1.259,9 M€ da Andaluzia) e no último ano de janeiro a outubro a Espanha comprou a Portugal produtos e serviços no valor de 9.430,2 M€ dos quais 914,9 M€ correspondem à Comunidade Autónoma da Andaluzia.

Os principais produtos andaluzes vendidos a Portugal, por exemplo em 2018 último ano completo disponível, foram o azeite e óleos alimentares (359,60 M€) os combustíveis (300,4 M€) Cobre e as suas manufaturas (146,5 M€) frutas em conserva (113,9 M€), as matérias plásticas e transformados (102,8 M€) e na sexta posição a carne e desperdícios (91,4 M€). Nesse mesmo ano e no ranking dos principais produtos vendidos pelas empresas portuguesas para a Andaluzia constam os combustíveis (215,4 M€) o azeite e óleos alimentares (175,6 M€), minerais, escorias e cinzas (132,9 M€) matérias plásticas e transformados (101,2 M€), tabaco e sucedâneos (49,3 M€) e os pescados, crustáceos e moluscos ( 41,4 M€).

Também na atividade de investimentos, temos assistido a uma importante atividade com a presença de empresas andaluzas em Portugal em áreas como a agroindústria com uma importante presença na região do Alentejo, engenharia, aerospacial, têxteis, atividade seguradora e financeira, construção, etc. Segundo os dados a que tenho tido acesso o número de empresas em Portugal com participação de capital andaluz deverá rondar as 144 empresas.

A evolução dos fluxos de investimento bruto andaluz em Portugal tem evoluído da seguinte forma: em 2015 a Andaluzia investiu em Portugal 122,6 M€; em 2016, 2,6 M€; em 2017, 2,0 M€ e em 2018 14,0 M€.

É evidente que as relações económicas são cada vez mais estreitas e em sectores vitais para as duas economias como são as tecnologias, o sector aerospacial ou portuário com uma importante presença nesta visita oficial.

Presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola (CCILE)

Mais Notícias

Outras Notícias GMG