Desemprego sobe em agosto. É a primeira vez desde fevereiro de 2016

A taxa de desemprego subiu em agosto para 6,9%. Trata-se da primeira subida desde fevereiro de 2016.

Ao fim de 30 meses consecutivos de descidas, a taxa de desemprego aumentou em agosto, situando-se nos 6,9%. A subida, de 0,1 pontos percentuais, foi confirmada esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística na divulgação do valor definitivo sobre a evolução do mercado de emprego naquele mês de verão. Para setembro, o INE antecipa uma descida.

Quando há cerca de um mês a autoridade estatística nacional divulgou a sua estimativa da taxa de desemprego para agosto, apontava para uma manutenção do valor. Mas os dados definitivos agora divulgados incluem uma revisão em alta.

"Em agosto de 2018, a taxa de desemprego situou-se em 6,9%, mais 0,1 pontos percentuais (p.p.) que no mês anterior" revela o INE que assinala, contudo, a descida de 1,9 p.p. se a comparação for feita com o mesmo mês de 2017

Aquele valor "representa uma revisão em alta, de 0,1 p.p., da estimativa provisória divulgada há um mês. É a primeira vez, desde fevereiro de 2016, que se observa um aumento mensal da taxa de desemprego", acrescenta a autoridade estatística nacional.

Traduzindo em números, isto significa que em agosto o país tinha mais 8,4 mil pessoas desempregadas do que no mês precedente, elevando para 358,6 mil pessoas o universo total de desempregados naquele mês que coincide com um dos de maior atividade turística.

Do lado do emprego, agosto registou uma variação nula face a julho, com o INE a dar conta de um acréscimo de 1,3 mil pessoas empregadas. Ainda assim. Trata-se de uma revisão em alta face à estimativa provisória que tinha sido avançada.

"Em agosto de 2018, a taxa de desemprego situou-se em 6,9%, mais 0,1 pontos percentuais (p.p.) que no mês anterior" revela o INE que assinala, contudo, a descida de 1,9 p.p. se a comparação for feita com o mesmo mês de 2017.

Aquele valor "representa uma revisão em alta, de 0,1 p.p., da estimativa provisória divulgada há um mês. É a primeira vez, desde fevereiro de 2016, que se observa um aumento mensal da taxa de desemprego", acrescenta a autoridade estatística nacional.

Traduzindo em números, isto significa que em agosto o país tinha mais 8,4 mil pessoas desempregadas do que no mês precedente, elevando para 358,6 mil pessoas o universo total de desempregados naquele mês, que coincide com um dos de maior atividade turística.

Do lado do emprego, agosto registou uma variação nula face a julho, com o INE a dar conta de um acréscimo de 1,3 mil pessoas empregadas. Ainda assim, trata-se de uma revisão em alta face à estimativa provisória que tinha sido avançada.

Desemprego melhora em setembro

Relativamente a setembro, os dados provisórios do INE (igualmente divulgados esta terça-feira) apontam para uma melhoria e estimam que a taxa de desemprego se tenha situado nos 6,6%. A confirmar-se este valor traduzirá um decréscimo de 0,3 p.p e corresponderá ao mais baixo desde 2002.

No que diz respeito à população empregada, os dados apontam para que tenha ascendido a 4 814,3 mil pessoas, o que refletirá um aumento de 7,4 mil face a agosto e de 96,3 mil face ao mês homólogo de 2017. Estas dados - que são ajustados dos efeitos dos ciclos sazonais - incorporam uma subida da população ativa em agosto e previsão de ligeiro recuo em setembro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG