Derrota com a Polónia deixa Portugal de fora do Europeu sub-21 e Tóquio 2020

Seleção nacional perdeu (3-1) em Chaves com a Polónia, depois de ter ganho por 1-0 na primeira mão do play-off. Erros defensivos na primeira parte custaram muito caro à equipa treinada por Rui Jorge, que fica sem Europeu e Jogos Olímpicos.

Depois da vitória por 1-0 há uma semana na Polónia, na primeira mão do play-off, nada fazia prever este desfecho. A seleção portuguesa de sub-21 foi derrotada esta terça-feira em Chaves pela Polónia, por 3-1, e está afastada do Campeonato da Europa da categoria que se vai realizar para o ano em Itália, entre 16 e 30 de junho. Um grande falhanço desta geração recheada de bons jogadores, alguns já com presenças na seleção principal.

O selecionador Rui Jorge tinha avisado na véspera que Portugal "não podia facilitar" e que era imperativo "não cometer erros". Mas a seleção facilitou. E cometeu erros! Os três golos sofridos na primeira parte mostraram um desacerto defensivo preocupante. Logo aos cinco minutos, o central polaco Bielik apareceu na área a cabecear sem oposição. E aos 8' um novo golo de cabeça, outra vez numa falha de marcação dos centrais portugueses, que deixaram Kownacki à vontade.

Se o resultado já era preocupante, tudo se precipitou com o terceiro golo dos polacos, aos 25 minutos, com Szymanski a surgir sozinho na área portuguesa a corresponder a um cruzamento da direita. Rui Jorge, no banco, via o apuramento por um fio e lançou Rafael leão aos 38' para o lugar de João Carvalho, para dar mais força ao ataque, pois Portugal estava obrigado a marcar... três golos. Ao intervalo, contudo, o resultado manteve-se com 3-0 a favor dos polacos.

No segundo tempo, a equipa lusa procurou desde cedo chegar ao golo que permitisse embalar a seleção para uma reviravolta. E aos 52', Diogo Jota reduziu para 3-1 com um golo de cabeça. A pressão de Portugal e as oportunidades de golo sucederam-se na área dos polacos a um ritmo impressionante. Mas ora por ação do guarda-redes Grabara, ora por falta de eficácia dos avançados portugueses, os golos não surgiram. O apito final chegou e ninguém conseguiu disfarçar uma enorme frustração, com esta geração a desperdiçar a oportunidade de se mostrar num Europeu e também a perder a oportunidade de poder estar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020 - a qualificação estava dependente da participação no Europeu.

Uma história com duas finais, mas sem títulos

Portugal voltou assim a ficar pelo caminho numa fase final de um Campeonato da Europa, o que já não acontecia desde 2013 - nas duas últimas edições (2015 e 2017) a seleção nacional marcou presença entre os finalistas.

A seleção de sub-21 foi vice-campeã nas edições de 1994 e 2015 e garantiu um terceiro lugar em 2004. Curiosamente, este é o único escalão em que Portugal nunca conseguiu vencer um título.

Num torneio que decorreu em todos os anos pares entre 1978 e 2006, a primeira participação portuguesa remonta a 1994, quando a geração de Figo, João Pinto e Rui Costa, entre outros, e comandada por Nelo Vingada, foi derrotada na final (0-1) de Montpellier (França) pela Itália de Toldo, Panucci, Cannavaro e Pippo Inzaghi.

Em 1996, em Espanha, Portugal voltou a assinar a lista de presenças, tendo sido eliminado pela Itália nos quartos-de-final. Voltou a estar presente numa fase final em 2002, na Suíça, numa edição em que não passou da fase de grupos, tal como em 2006 (em Portugal) e em 2007 (na Holanda). Pelo meio, um terceiro lugar na Alemanha, em 2004, com uma geração que incluía Bruno Alves, Raúl Meireles, Carlos Martins e Danny, por exemplo.

Após oito anos sem qualquer participação, o regresso a uma fase final aconteceu na República Checa, em 2015, já com Rui Jorge como selecionador. Ricardo Pereira, William Carvalho, Bernardo Silva, João Mário, Raphaël Guerreiro e companhia atingiram a final, mas caíram ante a Suécia no desempate por grandes penalidades. Dois anos depois, na Polónia, Portugal voltou a figurar na fase final, embora não tivesse passado a fase de grupos.

Mas à nona tentativa de marcar presença na fase final de um Europeu, Portugal falhou. Primeiro ao não conseguir o apuramento através da fase de grupos. E depois ao cair no play-off com a Polónia. Numa equipa com jogadores como Joel Pereira, André Horta, Gedson Fernandes, Diogo Gonçalves, João Carvalho, Diogo Jota e Rafael Leão, alguns já com presenças na seleção A, exigia-se mais. Mas aquela primeira parte de desnorte deitou tudo a perder.

O sorteio desta sexta-feira não vai assim contar com Portugal entre as seleções finalistas. Eis as equipas apuradas para o Europeu 2019: Alemanha, Bélgica, Croácia, Sérvia, Dinamarca, França, Inglaterra, Roménia, Portugal, Roménia, Polónia e Áustria ou Grécia (jogo ainda a decorrer).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG