Sporting 4, Trigueira 0. Goleada apesar de um guarda-redes espantoso

Trigueira bate recorde de defesas e evita goleada humilhante para um Tondela que não acertou na baliza de Adán. O 4-0 sublinha o virtuosismo do Sporting, líder provisório

Quando chegou o primeiro golo do Sporting, no último minuto da primeira parte, Pedro Trigueira já tinha negado meia dúzia de golos aos leões - acabaria o jogo com o recorde de defesas (11) das últimas três temporadas (e o que vai desta).

Mas em quatro minutos de jogo (com intervalo pelo meio), Pote bisou, chegou-se ao topo dos goleadores (igualou Rodrigo Pinho, com cinco, a um do líder Thiago Santana, com seis) e desarmou as ténues dúvidas que pudessem existir quanto a um desfecho diferente.

O ataque do Sporting raramente sentiu dificuldades para criar oportunidades de golo, invadindo a defesa do Tondela e metralhando Trigueira, o homem-equipa desta noite. Com João Mário a estrear-se a titular, com Sporar a reivindicar um lugar que lhe parece pertencer sem grandes discussões, com Pedro Gonçalves e Pedro Porro e Nuno Mendes a rabearem com rapidez e potência por entre as linhas de defesa do adversário, este Sporting escreveu o seu destino.

Um destino promissor, embora ainda sendo precoce matutar se isso significa apenas a recuperação da auto-estima do clube de futebol, se até para se intrometer em lutas que dificilmente seriam suas - o título, pois claro, o título que em 40 anos foi conseguido quatro vezes (1980; 1982; 2000; 2002).

Jogo a jogo, como gostam de dizer os treinadores, notam-se as fragilidades, mas sobressaem os virtuosos. A defesa a três não parece ser de betão, nem de outro material muito fiável, mas o ataque é uma delícia. Pela forma de progressão geométrica, pela classe que um punhado de miúdos talentosos coloca nas trocas de bola a pensar na baliza adversária. E pela conjugação de potência, qualidade e potencial.

Voltando às incidências do jogo: se antes do golo inaugural Trigueira tinha negado golos a Pote, Sporar, Nuno Mendes, João Mário (etc.) e o Tondela nem se tinha chegado à baliza de Adán, depois a fadiga acabou por ditar o desenrolar do jogo.

Numa primeira fase, com o Sporting a aparecer menos autoritário, o que nem assim permitiu ao Tondela mais do que marcar um golo em fora-de-jogo por 11 centímetros - e não contando oficialmente para as estatísticas, esse foi o único remate à baliza dos leões. Na fase final, com o Tondela ainda mais exposto a permitir que Pedro Porro e Sporar colocassem o resultado com números mais "reais" com o que foi o jogo.

Porro fez um golaço após mais uma movimentação de Sporar a arrastar os centrais e a libertar espaço nas costas (tal como no 1-0, aliás, e noutros lances), depois de um cruzamento de Nuno Santos. Sporar, nos últimos instantes, a bater Trigueira finalmente, mas não sem ter de rematar duas vezes (mais uma defesa do guarda-redes).

Em oito jogos, o Sporting já marcou 17 golos e sofreu oito, contando com os dois das pré-eliminatórias da Liga Europa (1-0 sobre o Aberdeen; pesado 1-4 na receção ao LASK). Na Liga, marcou sempre pelo menos dois golos e só sofreu quatro (dois no empate 2-2 com o FC Porto, um no acerto de calendário com o Gil e outro do Santa Clara): diferença de golos de 15-4.

Melhor, só o Benfica (15-3), que só entra em campo esta segunda-feira no Bessa (Boavista-Benfica, 21:00). Os rivais da segunda circular somam por vitórias os cinco jogos realizados (15 pontos) e se mantiverem a tendência recuperam a liderança da Liga, agora perdida para os leões (16).

Certa é a vantagem de seis pontos que o Sporting conseguiu sobre o FC Porto (10 pontos), depois da derrota do campeão em Paços de Ferreira (se o Sp. Braga bater o Famalicão chega aos 12 pontos e ao pódio). Os velhos rivais de Lisboa são as duas únicas equipas sem derrotas na Liga. Mas ainda só vamos no primeiro terço da primeira volta. Precoce, apesar dos sinais.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG