Ruben Amorim admite que Sporting não está em pé de igualdade com os rivais

O treinador Ruben Amorim admitiu este sábado que o Sporting não está em pé de igualdade com os adversários diretos na luta pelo título da I Liga de futebol, mas garantiu que não desiste da sua equipa.

Recentemente recuperado da covid-19, o técnico dos 'leões' enfrentou, pela primeira vez nesta época, a imprensa, na Academia de Alcochete, e assumiu que o Sporting não tem as mesmas 'armas' que Benfica e FC Porto, mas sublinhou que cabe à sua equipa técnica "trabalhar com isso".

"Na grandeza está [em pé de igualdade], mas no resto é impossível. Cabe-nos trabalhar com isso. Parece-me que há muita gente que já desistiu da equipa do Sporting, mas eu, como treinador, não desisto. Por mais que desistam, dentro e fora do Sporting, vão ter uma vida difícil porque nós vamos dar luta e vamos ser competitivos", prometeu Ruben Amorim.

Ainda na 'ressaca' da pesada eliminação no 'play-off' da Liga Europa, com uma derrota em casa, por 4-1, frente aos austríacos do LASK Linz, o técnico assumiu que a sua análise a esse desafio não é "popular", mas explicou por que motivo a mensagem que passou aos jogadores foi a de ter consciência que "deram tudo".

"Já tivemos vitórias em que jogámos muito menos do que naquele dia. Marcaram um golo de bola parada, depois há uma falta não assinalada de um lado e um golo do outro. E a partir da expulsão [de Coates] o jogo acabou. Não é a coisa mais popular de se dizer, mas não lhes posso dizer nada porque deram tudo e há que seguir em frente", apontou.

O técnico considerou ainda "normal" que se critique a equipa "quando surge um mau resultado", mas recusou que o problema resida no sistema de jogo com três defesas.

"Não foi por aí que perdemos. Se marcam o penálti sobre o Nuno Mendes, o jogo era diferente, e não estou a querer desculpar-me com a arbitragem. Se o Coates acerta na bola e não é expulso, o jogo era diferente. Não tem a ver com o sistema tático. O treinador tem de estar preparado para isso [as críticas] e nós vamos seguir o nosso caminho como temos feito", desvalorizou.

E "o caminho" é já uma viagem ao Algarve, para o jogo com o Portimonense, no domingo, que "vai ser complicado" porque é frente a um adversário que "tem vindo a crescer já desde a época passada" e que, por enfrentar o Sporting, "não tem grande pressão".

Muito improvável, no Algarve, será a utilização de Wendel, uma vez que o brasileiro "não treinou esta semana", revelou Ruben Amorim, questionado sobre a possibilidade de o médio ser transferido para o Zenit, da Rússia, mas sem adiantar mais detalhes.

Ainda sobre o mercado de transferências e a composição final do plantel que terá à sua disposição, o treinador disse, sobre Rafael Camacho, que "no fim do mercado logo se faz balanço de quem fica e quem sai", enquanto sobre Ristovski afirmou que "hoje não está [nas opções], mas amanhã pode estar", confirmando a insatisfação com a atitude do macedónio num treino.

"Há um caminho a seguir e quando se desviam do caminho creio que é a única maneira de levar a bom termo", assumiu.

O Sporting visita o Portimonense, no domingo, às 21:00, em encontro da 3.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol onde os 'leões' procuram regressar às vitórias e somar o segundo triunfo consecutivo noutros tantos jogos do campeonato.

Depois de ver adiado o encontro da 1.ª jornada, com o Gil Vicente, devido ao elevado número de casos de covid-19 em ambas as equipas, os 'leões' tiveram um bom arranque com vitórias por 1-0 frente ao Aberdeen (Liga Europa) e 2-0 sobre o Paços de Ferreira (I Liga), mas 'derraparam' na quinta-feira no regresso às competições europeias.

Mais Notícias