Primeiro dia do GP Portugal de F1. Polémica, carro a arder, capacete com galo de Barcelos e Bottas super rápido

FIA convidou Petrov para comissário convidado e Hamilton não gostou. E disse-o ao mundo.

Se a ideia era colocar o Grande Prémio de Portugal nas bocas do mundo, a organização conseguiu-o ao nomear Vitaly Petrov como comissário convidado. Demorou apenas algumas horas até o campeão mundial, Lewis Hamilton criticar a escolha.

"Deveríamos chamar pessoas que estivessem alinhadas connosco, que compreendam o momento que estamos a viver, que são sensíveis ao que os rodeia. Realmente não entendo qual o objetivo deles (FIA) e porque ele, em particular, está aqui. Não é que não tivessem outras boas opções", atirou o britânico.

Hamilton e Petrov têm uma história. O piloto russo criticou os gestos do piloto da Mercedes a propósito do movimento Black Lives Matters e questionou mesmo se o faria em defesa dos gays: "Digamos que um piloto admita ser gay, ele usará uma bandeiras de arco-íris para incentivar todos a serem gays também? Acho que a FIA não vai mais permitir esse tipo de comportamento."

Nomear Petrov para comissário, numa altura em que Hamilton pode bater o recorde de 91 vitórias de Michael Schumacher é, no mínimo, questionável, segundo os amantes da F1 por esse mundo fora. E se Petrov tiver de decidir sobre a legalidade de uma manobra do britânico?

A dobradinha da Mercedes

O primeiro treino livre no circuito de Portimão não trouxe grandes surpresas no que toca ao desempenho desportivo. Com milhares de adeptos nas bancadas, a Mercedes fez mais uma dobradinha com Valtteri Bottas a superar Lewis Hamilton. O finlandês marcou 1m18s410 na sua melhor volta e foi 0s339 mais veloz do que o colega de equipa.

Max Verstappen (Red Bull) voltou a ser o que mais se aproximou da dupla da Mercedes ao fazer o terceiro melhor tempo, a 0s781 de Bottas. O Ferrari de Charles Leclerc acabou em quarto, à frente de Alexander Albon (Red Bull). Carlos Sainz Jr. (McLaren), Sergio Pérez (Racing Point), Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), Daniel Ricciardo (Renault) e Pierre Gasly (AlphaTauri) completaram o top 10 dos primeiros treinos do GP de Portugal.

Bottas terminou a segunda sessão de treinos com cerca de meio segundo a menos face ao resultados da primeira sessão, em que tinha sido já o mais rápido. O holandês Max Verstappen (Red Bull) foi o segundo, a 595 milésimos de segundo, e o britânico Lando Norris (McLaren) terceira, a 803 milésimos. O piloto da McLaren (12.º mais rápido na primeira sessão) foi um dos protagonistas do dia ao personalizar o capacete com uma imagem do galo de Barcelos e fazer furor nas redes sociais.

O regresso dos monolugares a Portugal ao fim de 24 anos de ausência ficou ainda marcado por um incidente com Pierre Gasly. O carro do piloto francês da Alpha Tauri pegou fogo e a sessão foi interrompida durante alguns minutos. Os comissários de pista ajudaram a apagar o fogo e Gasly e escapou ileso, mas não ganhou para o susto.

Os treinos foram retomados e cinco minutos depois outro acidente provocou nova bandeira vermelha, após Verstappen colidir com Lance Stroll, da Racing Point.

No sábado, disputa-se a qualificação para o Grande Prémio de Portugal, 12.ª corrida do Mundial de Fórmula 1.

Mais Notícias