O grito de revolta de Fábio Martins: "É execrável a quantidade de mensagens de ódio que recebemos"

Jogador do Famalicão recorreu às redes sociais para lamentar o clima atual do futebol português, onde um jogador não pode ter opinião

Fábio Martins (Famalicão) disse no final do jogo das meias finais da Taça de Portugal, na terça-feira, que o Famalicão foi "claramente superior ao Benfica". Uma declaração que foi um rastilho para mensagens de ódio, que o levaram a recorrer às redes sociais que não quis ofender ninguém e só manifestou uma opinião.

Num longo post no Facebook, o jogador qualificou como "execrável" a quantidade de mensagens de ódio e insultos dirigidos aos jogadores. "Deixem-nos jogar. Deixem-nos viver o futebol. Deixem-nos fazer o nosso trabalho. Somos homens que, depois de dar o litro no relvado, vamos para casa e não podemos ligar uma televisão, temos de afastar os computadores dos nossos filhos, para que eles não fiquem a pensar que o pai matou alguém. Porque é isso que parece que transmitem, com as mensagens que escrevem", desabafou o jogador famalicense.

"É execrável a quantidade de mensagens de ódio e insultos que nós, jogadores de futebol, recebemos. Além de fazermos o que fazemos dentro das quatro linhas, temos o direito de ter a nossa opinião sobre o que aconteceu, tal como vocês têm a vossa. É por este tipo de situações que vocês percebem que os jogadores têm de ir com um discurso mecanizado. Eu, na minha forma de estar no futebol, acredito que os jogadores não têm que dizer o mesmo. Há que dar voz ao que é real. É preciso ser real, honesto e puro para desbravar todo este entulho que não deixa o nosso futebol", escreveu o médio.

Sobre o que disse no final do jogo - que o Famalicão foi "superior" ao Benfica nos dois jogos da Taça de Portugal e que obrigou os encarnados "a bater bolas na frente e a queimar jogo" - Fábio Martins lembrou que é preciso falar mais de futebol e menos de "teorias da conspiração". E a reafirmou o sentimento de "injustiça" pela elimianção da taça: "Repito, na minha opinião, fomos claramente superiores e merecíamos ter passado a eliminatória. Ponto. Respeito quem possa pensar o contrário, mas esta foi rigorosamente a minha forma de ver os dois jogos."

Mais Notícias