Nélson Évora termina contrato e está de saída do Sporting

Os leões não chegaram a acordo com o saltador do triplo salto que tinha sido contratado em 2016 tendo em vista os Jogos Olímpicos de Tóquio, que entretanto foram adiados para 2021.

Nélson Évora, campeão olímpico do triplo salto nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, está de saída do Sporting após ter terminado o contrato no passado sábado, confirmou esta sexta-feira à Lusa fonte oficial dos leões.

De acordo com a mesma fonte, o atleta de 36 anos e o Sporting não chegaram a acordo para a renovação do vínculo iniciado em outubro de 2016, acrescentando que tinha sido assinado tendo em vista os Jogos Olímpicos Tóquio 2020, que entretanto foram adiados para 2021, devido à pandemia de covid-19.

O Sporting já assegurou a renovação de grande parte dos principais atletas integrantes do projeto olímpico, de acordo com a mesma fonte.

Durante as quatro épocas de verde e branco, Nélson Évora conquistou os títulos europeus em pista coberta, em Belgrado, em 2017, e ao ar livre, em Berlim, no ano seguinte, assim como as medalhas de bronze nos Mundiais de 2017, em Londres, e indoor de 2018, em Birmingham, sem que tivesse alcançado ainda os mínimos para Tóquio 2020, fixados em 17,14 metros.

No total, o saltador conquistou 11 medalhas em grandes competições no triplo salto.

Em 2007, sagrou-se campeão do mundo, em Osaka, no Japão, com o seu recorde pessoal (17,74 metros), tendo ainda conquistado a medalha de prata nos Mundiais ao ar livre de 2009, em Berlim, e de bronze em pista coberta de 2008, em Valência, em Espanha.

A carreira do saltador, que vestiu as camisolas de Benfica, entre 2004 e 2016, e FC Porto, entre 2002 e 2004, foi marcada por muitos êxitos e várias lesões graves, como foram os casos de uma fratura de esforço na tíbia, em 2010, uma lesão no calcanhar, em 2011, e nova fratura de esforço, em 2012.

Mas a cada contrariedade, Évora respondeu com resultados, conseguindo superar os 17 metros várias vezes em 2015, quando arrecadou a medalha de ouro nos Europeus indoor, em Praga, e a de bronze nos Mundiais, em Pequim.

Desde 2016, fixou-se em Madrid, no grupo do cubano Ivan Pedroso, antigo campeão do salto em comprimento.

O cubano naturalizado português Pedro Pablo Pichardo, que lhe sucedeu no Benfica, com um triplo salto de 17,95 metros, em Doha, em maio de 2018, roubou-lhe o recorde nacional na especialidade que detinha desde 2006, quando superou o anterior máximo, então na posse de Carlos Calado.

Mais Notícias