Mulher de 65 anos com paralisia completa maratona de Nova Iorque

Terry Hannigan Vereline percorreu os 42 quilómetros da prova em três dias com o auxílio de um esqueleto robótico. No final deixou uma mensagem sentida: "Nunca desistam"

Terry Hannigan Vereline, de 65 anos, entrou para a história da maratona de Nova Iorque, ao tornar-se na primeira atleta com paralisia a terminar a prova. O feito foi alcançado no passado dia 3 de novembro, quando cortou a meta três dias depois de ter começado.

A maratona de Nova Iorque foi ganha por Geoffrey Kamworor. Mas muitas horas depois de o quenianio ter cortado a meta, centenas de pessoas continuavam no local à espera de uma atleta especial. Terry tinha iniciado a prova três dias antes e com o auxílio de um esqueleto robótico conseguiu terminar os 42 quilómetros do percurso.

"Nunca desistam. O que eu fazia antes de ficar paralisada, continuo a conseguir fazer. Trata-se apenas de encontrar outra forma de o fazer. Cruzar a meta foi fantástico. Consegui algo que pensava ser impossível", disse numa entrevista à cadeia de televisão CBS.

Terry Vereline é uma veterana do exército dos Estados Unidos que participou em missões no Vietname. Atualmente com 65 anos, a maior parte da sua vida foi passada numa cadeira de rodas. Isso não a impediu de participar na maratona de Nova Iorque, com o auxílio de um esqueleto robótico que usa desde há cinco anos para conseguir mover-se.

"Estava muito assustada, mas a partir do momento que ligaram este meu dispositivo e dei o primeiro passo, já não pensei em mais nada. Estava a caminhar pelos meus próprios pés. Podia olhar para as pessoas na direção dos olhos. Podia abraçá-las e toca-las", disse.

Vereline demorou três dias a completar os 42 quilómetros. Começou na sexta-feira (dia 1 de novembro) e percorreu 16 quilómetros. No sábado fez mais 16 quilómetros e domingo, dia da prova, completou os restantes 10. Agora espera que o seu exemplo inspire outras pessoas com o mesmo problema.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG