Lage nega multa a Gabriel por causa da sopa e revela conversa com árbitro do clássico

O treinador do Benfica não quis comentar a intenção do clube em ter árbitros estrangeiros a apitar os jogos do clube e do FC Porto. E até revelou que pediu desculpas a Artur Soares depois do clássico de sábado.

Bruno Lage fez esta segunda-feira o lançamento do jogo da segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal contra o Famalicão (esta terça-feira, às 20.30), no qual os encarnados vão defender uma vantagem de 3-2. Antes, contudo, o treinador foi questionado por dois casos à margem deste jogo, a situação de Gabriel e a intenção do Benfica em pedir árbitros estrangeiros para apitar os seus jogos e do FC Porto.

Sobre Gabriel, jogador que está com um problema do foro oftalmológico e que por isso falhou o jogo com o FC Porto, o treinador aproveitou para desmentir uma informação de que o médio teria sido multado por não ter jantado com o plantel no final do jogo da primeira mão com o Famalicão, onde até marcou um dos golos. "O Gabriel continua com a sua situação, serão informados através do boletim clínico. Multado? Eu estou aqui há 13 meses e nunca vi ninguém ser multado por não comer a sopa no final do jogo", atirou o treinador do Benfica.

Acerca das duras críticas feitas pelo Benfica à arbitragem de Artur Soares no clássico com o FC Porto, e o consequente pedido de árbitros estrangeiros para apitar os jogos com os dois clubes, Bruno Lage manteve a sua linha de raciocínio e não quis entrar em polémicas: "Não costumo falar sobre árbitros e por isso não vou comentar. Quero apenas dizer o seguinte: no final do jogo cumprimentei o Artur Soares Dias, e depois cruzei-me com ele e pedi-lhe desculpas por ter entrado em campo. Ele até me recordou que essa situação já tinha acontecido uma vez, mas que tinha mesmo de me mostrar o cartão amarelo."

Outra questão abordada por Bruno Lage foi o facto de o Benfica ter sofrido golos nos últimos sete jogos. "Não é uma questão individual, nem da nossa linha defensiva, é sim uma questão coletiva, que se resume a sermos efetivos na pressão que fazemos. Temos que ter uma maior taxa de sucesso nos duelos individuais, não basta ter a intenção de pressionar, temos de condicionar as saídas do adversário", justificou.

Questionado sobre se acha que neste momento o Benfica é uma equipa previsível e por isso mais fácil para os adversários, Lage deu uma resposta curiosa. "Não. Em termos ofensivos não somos previsíveis. Entre novembro e dezembro, senti isso. Mas agora a equipa consegue reinventar-se. Durante um ano, conseguimos esconder os nossos problemas. Agora esses problemas são mais visíveis porque dão golos. Temos pontos onde somos menos bons, que escondemos por muito tempo. E o nosso trabalho passa por sermos o mais competente possível em todos os momentos", opinou.

Sobre o Famalicão, o treinador do Benfica deixou muitos elogios à equipa orientada por João Pedro Sousa: "Esta equipa foi construída um pouco de base. Coloca muita gente à frente da linha da bola, com profundidade, são dinâmicas que não são muito usuais que temos de contrariar. É uma equipa muito competente em termos de construção e de condução do jogo."

Treinador do Famalicão espera Benfica forte

Já o treinador do Famalicão, João Pedro Sousa, garantiu que a sua equipa vai entrar nesta terça-feira em campo com vontade de fazer história e garantir presença na final da Taça de Portugal, confiante de que os seus jogadores não vão sentir o peso da goleada sofrida neste fim de semana com o V. Guimarães, por 7-0.

"Foi um resultado muito pesado. Não estávamos preparados para a dimensão da derrota, mas esta competição [Taça de Portugal] é diferente. É um jogo demasiado importante para a história do clube e dos jogadores", referiu.

O treinador dos famalicenses adiantou ainda que no jogo da primeira mão, que a sua equipa perdeu por 3-2, "o resultado podia ter sido mais positivo". "Mas temos as nossas armas, podemos eliminar uma equipa tão forte como o Benfica, mas temos de estar num dia positivo. Marcar e não sofrer não deixa de ser uma tarefa complicada, até porque o Benfica marca nos jogos quase todos. Mas queremos ir à final. Temos que ser competentes frente a uma equipa forte e poderosa", disse.

O treinador não espera um Benfica mais frágil resultado da derrota sofrida no Dragão com o FC Porto (3-2) no sábado. "Espero um Benfica forte. Por experiência própria sei que os clássicos provocam danos mentais e físicos, foi a pensar nisso que fizemos a gestão que fizemos, mas o Benfica também pode gerir. Acho que jogue quem jogar será um Benfica forte", considerou.

"[a final da Taça] é um dia muito especial, já disputei a final e venci, mas não é só o jogo. Vive-se o dia de forma diferente, começando logo com os piqueniques no Jamor. É uma prenda que queríamos dar aos adeptos e à cidade, é um dia inesquecível", concluiu João Pedro Sousa, que era adjunto de Marco Silva no Sporting quando os leões em 2015 venceram o Sp. Braga na final e conquistaram a prova.

Mais Notícias