Benfica fez valer a lei do mais forte e até Jonas deu uma ajuda

O Sertanense só fez um remate enquadrado à baliza, mas ainda conseguiu dividir o jogo na primeira parte. Os golos de Rafa, Gedson e Jonas permitiram aos encarnados garantir a passagem para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal

Imperou a lei do mais forte. Sem surpresas, nem sobressaltos, o Benfica garantiu o apuramento para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal, ao vencer, em Coimbra, o Sertanense, por 3-0.

A superioridade da equipa de Rui Vitória nunca esteve em causa, perante um adversário do terceiro escalão (Campeonato de Portugal) que, durante o primeiro tempo, procurou dividir todos os lances com agressividade e determinação. O jogo estava a ser disputado a um ritmo muito baixo, com o Benfica a ter a iniciativa de jogo, é certo, mas sem a velocidade necessária para abrir os caminhos para a baliza contrária.

O Sertanense apresentava um bloco defensivo muito compacto, mas cuja missão esteve quase sempre bastante facilitada pela lentidão e previsibilidade dos encarnados. É certo que a equipa treinada por João Manuel Pinto procurava utilizar a velocidade para surpreender o adversário no contra-ataque, mas é preciso salientar que o guarda-redes Mile Svilar foi um autêntico espectador durante praticamente todo o jogo, apenas sendo obrigado a aplicar-se aos 61 minutos, a travar um remate forte de longe de Hugo Barbosa, que protagonizou o único remate enquadrado da equipa da Sertã.

Durante o primeiro tempo, os encarnados viveram muito do talento e visão de jogo de Zivkovic e das tentativas de Rafa Silva explorar a sua rapidez. Logo aos cinco minutos, Jonas, que foi pela primeira vez titular esta época, abriu o marcador mas o golo foi anulado, porque o brasileiro estava em posição de fora de jogo.

Após um longo período de jogo sem que ninguém se aproximasse das balizas, o Benfica acabou por se adiantar no marcador aos 35 minutos, por Rafa Silva, que continua de pé quente e desta vez na recarga a um remate de Zivkovic.

Após o intervalo, Rui Vitória lançou Ferreyra para jogar ao lado de Jonas e o domínio encarnado intensificou-se, com o Sertanense a sentir cada vez maiores dificuldades em acompanhar o ritmo do jogo. Mas o grande momento da noite foi protagonizado por Gedson Fernandes, que arrancou uma bomba que não deu hipóteses a Rafa Santos.

Não demorou muito tempo até que surgisse o terceiro golo, numa jogada em que Yuri Ribeiro começou por tabelar com Ferreyra e assistiu Jonas, que assim abriu a sua conta de golos esta temporada.

O Sertanense entrou então numa fase em que queria marcar o golo de honra, mas procurava-o já sem as forças necessárias para incomodar a defensiva adversária. Acabou por ser Ferreyra, a passe de Jonas, a fazer o quarto golo, mal anulado pelo árbitro, uma vez que o argentino não estava em fora de jogo.

Com o jogo ganho e controlado, Rui Vitória aproveitou para lançar João Félix e fazer estrear João Filipe (Jota), tendo o Benfica terminado a partida com seis atletas oriundos das suas camadas jovens, algo que há muitos anos não acontecia.

VEJA AQUI O RESUMO:

FICHA DO JOGO

Estádio Cidade de Coimbra (9132 espectadores)
Árbitro: Manuel Oliveira (Porto)

Sertanense: Rafa Santos; Tito Júnior, Tiago Correia, Yeison Rojas, Bruno Pereira; Kevin Pina, Hugo Barbosa (Vladimir Badinca, 84'), Tiago Batista; Pereirinha (Luís Dias, 58'), Ricardo Pires (Sócrates, 69'), Davou
Treinador: João Manuel Pinto

Benfica: Svilar; Corchia, Rúben Dias, Alfa Semedo, Yuri Ribeiro; Samaris, Gabriel (Ferreyra, 46'), Gedson Fernandes; Zivkovic, Jonas (João Filipe, 77'), Rafa Silva (João Félix, 67')
Treinador: Rui Vitória

Cartão amarelo a Hugo Barbosa (45'+2), Rúben Dias (47'), Bruno Pereira (55'),

Golos: 0-1, Rafa Silva (35'); 0-2, Gedson Fernandes (53'), Jonas (68')

FILME DO JOGO

Mais Notícias

Outras Notícias GMG