Grémio-Internacional terminou com oito expulsões (veja o vídeo da confusão)

O jogo da Taça Libertadores entre os dois rivais brasileiros ficou marcado por uma enorme confusão no final. Em toda a história da prova, contudo, houve um com mais expulsões: o Boca Juniors-Sp. Cristal de 1971 terminou com 19 expulsões.

O jogo entre o Grémio e o Internacional, da Taça Libertadores, realizado na quinta-feira, ficou marcado por uma enorme confusão entre jogadores perto do final da partida, que levou o árbitro a mostrar oito cartões vermelhos (quatro para cada equipa).

Na parte final do encontro, um desentendimento entre dois jogadores estendeu-se pelos restantes que estavam em campo e no banco e o árbitro argentino Fernando Rapallini teve de mostrar por oito vezes o cartão vermelho.

Depois de uma longa interrupção, o jogo prosseguiu, acabando já depois dos 105 minutos, com as duas equipas reduzidas a oito unidades, mais um expulso de cada lado entre jogadores suplentes não utilizados.

Luciano, Pepê, Caio Henrique e o suplente Paulo Miranda foram os jogadores expulsos no Grémio, enquanto no Internacional viram o vermelho direto Edenílson, Moisés, Victor Cuesta e ainda Bruno Praxedes, que não chegou a ser utilizado.

Além dos oito vermelhos, o árbitro da Argentina mostrou seis amarelos, também três a cada formação, para um total de 14 admoestações.

Em contraste com a fartura de cartões, a ausência de golos, que manteve as equipas a par na liderança do Grupo E, ambas com quatro pontos, contra três do América de Cali, que na terça-feira tinha vencido fora o Universidad Católica (zero pontos) por 2-1.

Este não foi, contudo, o jogo com mais expulsões da Taça Libertadores. Em 1971, uma partida entre o Boca Juniors e o Sporting Cristal acabou com 19 (!) jogadores expulsos. Na altura, os argentinos precisavam de vencer os peruanos para passarem a fase de grupos da prova. A determinada altura do jogo, o Boca reclamou um penálti, o árbitro não marcou e gerou-se a confusão total, com uma enorme cena de pancadaria entre os jogadores.

Mais Notícias