Gelson Martins estraga a festa de apresentação do FC Porto

Azuis e brancos sofreram primeira derrota na pré-época logo no jogo de apresentação, no Dragão, diante do Mónaco de Leonardo Jardim. Internacional português marcou o único golo do encontro

Em dia que era para ser de festa num Estádio do Dragão muito bem preenchido por 45.217 espetadores, o FC Porto apresentou-se aos sócios com uma derrota às mãos do Mónaco de Leonardo Jardim, naquele que foi o primeiro desaire dos azuis e brancos nesta pré-época. E coube a um português da equipa monegasca, o antigo extremo sportinguista Gelson Martis, marcar o único golo do encontro.

A 11 dias do primeiro encontro oficial, Sérgio Conceição apostou num onze que deverá aproximar-se bastante do que vai defrontar o Krasnodar na Rússia, a 7 de agosto. A julgar pela ficha de jogo, Manafá, Luís Díaz e Soares levam vantagem na luta direta com Saravia, Nakajima e Zé Luís, respetivamente.

A principal novidade, porém, terá mesmo sido a titularidade de Romário Baró, jovem que na época passada atuou pela equipa B e que no encontro deste sábado jogou no vértice superior direito do triângulo do meio-campo portista, setor onde teve a companhia do capitão Danilo (mais recuado) e Sérgio Oliveira (mais descaída para a esquerda), embora tivesse aparecido muitas vezes na ala a compensar incursões de Corona no corredor central.

Embora o FC Porto tivesse estado por cima durante a maior parte do tempo na primeira parte, foi Gelson Martins a inaugurar o marcador para o Mónaco aos 23 minutos, na sequência de uma perda de bola de Pepe em zona proibida e de uma jogada de ataque muito rápida da equipa que compete na liga francesa. Além disso, Vaná teve mais trabalho do que propriamente Lecomte, com o brasileiro a mostrar reflexos apurados na resposta a remates de Golovin (25') e Boschilia (39'). Deu para o guardião dos nortenhos ganhar confiança para a eliminatória diante dos russos, na qual deverá ser titular face à recente lesão de Diogo Costa e ao atraso da contratação de um novo guarda-redes.

Alex Telles desperdiçou penálti

Os dragões começaram a segunda parte de amarelo e reduzidos a dez, devido à ausência de Marcano durante os primeiros três minutos, uma vez que o central espanhol ficou a sangrar da cabeça na sequência de um choque e teve de ser suturado ao intervalo.

Numa altura em que Sérgio Conceição já tinha promovido quatro alterações, Corona ganhou uma grande penalidade, mas Alex Telles desperdiçou-a, ao permitir a defesa de Lecomte.

No forcing final, Zé Luís viu o guarda-redes monegasco negar-lhe o golo (89') e Fábio Silva cabeceou à trave (90'), não conseguindo evitar a derrota. Apesar de ter tido quase sempre mais bola e ter disposto de mais volume ofensivo, os portistas sentiram bastantes dificuldades em traduzir essa aparente superioridade num maior número de situações de perigo e, sobretudo, em golos.

Um dos protagonistas da noite, Danilo Pereira, foi o único jogador de campo do FC Porto a cumprir os 90 minutos. O internacional português tinha mostrado a intenção de abdicar do estatuto de capitão de equipa após um incidente com o treinador Sérgio Conceição na segunda-feira à noite, mas acabou por envergar a braçadeira.

Relativamente aos portugueses do Mónaco, Gelson Martins foi titular, enquanto Rony Lopes e Gil Dias foram lançados no decorrer da segunda parte. Depois de um empate a zero com o Sp. Braga na quarta-feira, na Pedreira, os homens de Leonardo Jardim saem do estágio em Portugal sem qualquer golo sofrido.

Ficha de jogo

O FC Porto alinhou de início com: Vaná; Manafá, Pepe, Marcano e Alex Telles; Danilo, Romário Baró e Sérgio Oliveira; Corona, Luís Díaz e Soares.

Jogaram ainda: Zé Luís, Otávio, Bruno Costa, Nakajima, Fábio Silva, Saravia, Diogo Leite, Tomás Esteves e Osorio.

Golos: 0-1, Gelson Martins, 23 minutos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG