Flamengo abre as portas do Maracanã para a final da Libertadores

O clube de Jorge Jesus quer que os adeptos que não vão ao Peru assistam em ambiente de estádio à final de 23 de novembro frente ao River Plate.

O Flamengo vai abrir as portas do Estádio Marcanã, no Rio de Janeiro, para que os adeptos que não vão a Lima, no Peru, poderem assistir à final da Taça Libertadores com os argentinos do River Plate, no próximo dia 23 de novembro.

A direção rubro-negra vai instalar ecrãs gigantes para que todos possam assistir à partida num ambiente de estádio, naquela que é a segunda presença do clube numa final da Libertadores, depois da conquista da prova sul-americana em 1981, numa equipa onde jogavam Carlos Mozer, Leandro, Júnior e Zico.

O Flamengo já teve autorização da Conmebol (confederação sul-americana de futebol) para que possa realizar o evento, que foi entregue a uma empresa que irá trabalhar a partir de agora para definir a capacidade máxima de público que poderá estar no Maracanã, sendo certo que as entradas serão cobradas, pois além do jogo esta iniciativa terá ainda outro tipo de atividades que ainda estão em estudo.

Esta é uma decisão que deverá ter uma enorme aderência por parte dos adeptos do Flamengo, uma vez que o entusiasmo que a equipa de Jorge Jesus tem gerado é enorme, havendo a expectativa de tratar-se de um jogo que irá ficar para a história do clube carioca.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.