FC Porto infringiu regulamentos com a substituição de Bruno Costa?

Regulamento obriga dois jogadores formados localmente a atuarem pelo menos 45 minutos. Dragões informaram delegado da Liga que o médio saiu por lesão

O apuramento do FC Porto para a final four da Taça da Liga fez-se com o suor de uma reviravolta sobre o Belenenses SAD, o suspense de um desempate por golos com o Chaves que se manteve até final e também com uma dose de polémica, devido à substituição de Bruno Costa ainda antes do intervalo.

O jovem médio foi a grande novidade no onze portista, mas saiu aos 39 minutos, numa altura em que o FC Porto perdia por 1-0 e Sérgio Conceição fez duas mexidas na equipa, tirando Bruno Costa e Maxi Pereira para as entradas de Hernâni e Soares. Ora, de acordo com o artigo 15.º do Regulamento da Taça da Liga, as equipas são obrigadas a incluir dois jogadores formados localmente no onze inicial de cada partida e esses jogadores devem jogar um mínimo de 45 minutos, salvo... "motivo de força maior".

Bruno Costa era, com Danilo, um dos dois jogadores formados localmente no onze portista, mas saiu antes de cumprir 45 minutos de jogo, o que fez levantar a questão de uma possível infração dos regulamentos por parte do FC Porto. No entanto, os dragões terão informado o delegado da Liga que o médio saiu por lesão, invocando assim o motivo de força maior previsto nos regulamentos.

O que diz o artigo 15.º do regulamento da Taça da Liga?

Os pontos 2 e 3 do artigo legislam sobre os jogadores formados localmente, nos seguintes termos:

2. Os clubes são também obrigados a incluir na ficha técnica como efetivos, em cada jogo disputado, pelo menos dois jogadores formados localmente, tal como definidos no Regulamento das Competições (atual n.º 11 do artigo 77.º).
3. Os jogadores incluídos na ficha técnica nos termos do número anterior têm que ser utilizados em pelo menos 45 minutos do jogo, salvo em caso de força maior.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG