Soares teve cabeça para abrir caminho a vitória tranquila dos dragões

O FC Porto venceu o Tondela por 3-0 no último jogo da I Liga em 2019. Os dragões recolocaram assim em quatro pontos a distância para o líder Benfica.

O FC Porto não cedeu à pressão e venceu tranquilamente o Tondela, por 3-0, no jogo que encerrou a 14.ª jornada da I Liga. A jogar em casa, os dragões estavam proibidos de escorregar para não ficarem ainda mais longe da liderança e acabaram por resolver o problema bem cedo com dois golos de Soares e um de Otávio.

Os dragões somaram o 13.º triunfo no campeonato que os mantêm a quatro pontos do Benfica, quando faltam três jornadas para o fim da primeira volta.

Sérgio Conceição surpreendeu o Tondela com a forma como montou a equipa e a estratégia para este jogo. Desta vez, Danilo Pereira foi para a bancada e a sua vaga no onze foi preenchida por Nakajima, que foi um autêntico "vagabundo" no meio-campo portista, pois foi-lhe dada total liberdade de movimentações.

Com as costas protegidas por Otávio e Uribe, o japonês baralhou as marcações adversárias, abrindo espaços para que Marega fizesse diagonais da direita para o centro do ataque para se juntar a Soares no ataque, dando todo o corredor direito a Corona. Ao mesmo tempo, Luis Díaz aproveitava também para aparecer em zonas interiores, permitindo as subidas de Alex Telles pela esquerda.

O Tondela procurava formar um bloco compacto à frente da sua área, com duas linhas de quatro jogadores muito juntas, para depois procurar a velocidade de Jhon Murillo e Denilson Júnior no contra-ataque. Só que a equipa treinada pelo espanhol Natxo González foi autenticamente empurrada para o seu meio-campo e não conseguia ligar o seu jogo, também por mérito da pressão à perda da bola feita pelos jogadores do FC Porto.

Eficácia máxima dos dragões

O intenso domínio dos dragões acabou por dar frutos naquele que foi o primeiro remate à baliza de Cláudio Ramos. Num lance em que Luis Díaz libertou Corona na direita, que fez um cruzamento bem medido para Soares cabecear à vontade para o primeiro golo da noite.

Aos 10 minutos o FC Porto já estava em vantagem e, pela amostra que se tinha da partida, seria apenas uma questão de tempo até que o marcador voltasse a funcionar. No entanto, apesar do maior volume ofensivo, a equipa de Sérgio Conceição não criava ocasiões claras de golo. Por isso só voltou a marcar aos 32 minutos. Outra vez Soares e outra vez de cabeça. O brasileiro apareceu sozinho ao segundo poste, na sequência de um canto de Alex Telles, desviado por Marega no primeiro poste.

Soares fazia o segundo bis da época - o primeiro foi com o Young Boys na Liga Europa. Na I Liga, não marcava dois golos num jogo desde maio, com o Desp. Aves.

O Tondela despertou depois de já estar com uma desvantagem de dois golos e esteve mesmo perto de marcar, no primeiro ataque que conseguiu construir, quando João Pedro apareceu solto na área a rematar cruzado, mas ao lado. Ainda antes do intervalo, o mesmo jogador ainda teve um livre lateral que Marchesín desviou com os punhos. Na prática, foram as duas únicas lanças tondelenses num deserto de ideias.

Os dragões chegavam ao intervalo com eficácia máxima, pois marcaram nos dois únicos remates enquadrados com a baliza. Já o Tondela não acertou uma vez na baliza à guarda de Marchesín.

Nakajima abriu o livro do talento

A segunda parte começou como a primeira: sentido único. Mas com a diferença de o FC Porto jogar com mais velocidade no último terço ofensivo, sobretudo graças à entrada de Wilson Manafá para o lugar de Marega, que mostrou mais uma vez não estar a atravessar um bom momento. Corona adiantou-se no terreno e deixou todo o corredor para a velocidade de Manafá.

Os espaços para a equipa de Sérgio Conceição foram surgindo ainda de forma mais evidente, o que permitiu a Nakajima sobressair graças à sua técnica individual, que lhe permitia servir os companheiros de ataque. Foi num desses lances, que o japonês combinou bem com Corona e Otávio, permitindo a este último fazer o terceiro golo, no terceiro remate enquadrado com a baliza. Uma bela jogada de ataque aos 51 minutos, que premiava a inspiração portista.

Nakajima acabou por falhar pouco depois uma oportunidade de ouro para se estrear a marcar pelo FC Porto, mas sozinho rematou para as mãos de Cláudio Ramos. E o japonês bem merecia o golo, pois a segunda parte abriu o livro do seu enorme talento.

O Tondela continuava a ser uma equipa curta, que não conseguia incomodar o guarda-redes Marchesín. Ao contrário, do outro lado o dono da baliza dos beirões desdobrava-se em saídas a cruzamentos e em defesas que negaram o golo a Fábio Silva.

O apito final do árbitro ficou marcado pelos aplausos dos poucos adeptos que desafiaram o frio para apoiar os dragões. Afinal, a equipa de Sérgio Conceição despedia-se da I Liga em 2019 com um triunfo que mantém a equipa a quatro pontos da liderança, antes de visitar Lisboa para jogar com o Sporting no dia 5 de janeiro.

A Figura - Soares

Um ponta-de-lança vive de golos e neste jogo o brasileiro marcou mais do que em todos os jogos que tinha feito esta época no campeonato. Dois remates certeiros de cabeça que impulsionaram os dragões para uma vitória tranquila.

VEJA OS MELHORES MOMENTOS DA PARTIDA:

FICHA DO JOGO:

Estádio do Dragão, no Porto (19 820 espectadores)
Árbitro: Manuel Oliveira (Porto)

FC Porto - Marchesín; Jesús Corona, Pepe, Marcano, Alex Telles; Nakajima, Mateus Uribe, Otávio (Sérgio Oliveira, 79'), Luis Díaz (Fábio Silva, 74'); Marega (Wilson Manafá, 46'), Soares
Treinador: Sérgio Conceição

Tondela - Cláudio Ramos; Fahd Moufi, Bruno Wilson (Yohan Tavares, 18'), Ricardo Alves, Filipe Ferreira; João Jaquité, Pepelu (Pedro Augusto, 60'); Jhon Murillo, João Pedro (Richard Rodrigues, 60'), Jonathan Toro; Denilson Júnior
Treinador: Natxo González

Golo: 1-0, Soares (10'); 2-0, Soares (32'); 3-0, Otávio (51')

Mais Notícias

Outras Notícias GMG