Treinador do Chaves diz que não vão haver "facilidades para o Benfica"

Daniel Ramos assumiu esta quarta-feira que quer "contrariar a lógica", surpreender e alcançar um bom resultado na receção ao Benfica, na sexta jornada da I Liga.

"Não acredito que haja facilidades para o Benfica, pois queremos fazer um bom resultado e estamos preparados", garantiu o técnico dos transmontanos na antevisão ao encontro que se realiza na quinta-feira, às 20:15, em Chaves.

O treinador realçou que o emblema de Trás-os-Montes tem "hipóteses de fazer um bom jogo e dificultar o favoritismo do Benfica", mas pretende que os seus jogadores "tirem proveito das características que têm vindo a evidenciar", como a forma de estar em campo e a ideia de jogo.

"O nosso arranque não foi o que queríamos, mas a equipa tomou uma posição de assumir o seu ADN, o que também foi importante para conseguir os resultados recentes", lembrou.

A formação azul-grená está há dois jogos sem perder, depois do empate (1-1) no Estádio do Dragão, frente ao FC Porto, para a primeira jornada do Grupo C da Taça da Liga, e a vitória por 2-1 no Estádio do Bessa, na deslocação ao Boavista para a quinta jornada do escalão máximo do futebol português.

Sentindo que o seu grupo de trabalho está "mais maduro e capaz de entender os momentos de jogo", Daniel Ramos quer "contrariar o adversário" e procurar também criar oportunidades e fazer golos.

Pela frente o Desportivo de Chaves vai enfrentar um Benfica com "um poderio enorme".

"Podia fazer uma lista enorme, mas basta dizer que o treinador está há vários anos na equipa, o plantel se conhece bem e tem rotinas bem definidas, vem de um passado recente positivo, com a passagem à fase de grupos da Liga dos Campeões", analisou.

Daniel Ramos considera ainda que se dá "pouco relevo" às transições dos encarnados, e o "obrigar ao erro", que considera ser algumas das armas da equipa orientada por Rui Vitória.

Questionado sobre as possíveis baixas na equipa de Lisboa, como dos avançados Jonas e João Félix, o técnico dos flavienses realçou que "a valia das equipas é terem suplentes que deem continuidade ao rendimento da equipa".

"Se tirarem cinco jogadores do onze habitual à nossa equipa, isso vai-se notar, mas no Benfica não", sustentou.

O treinador do clube flaviense comentou ainda o fim da carreira do defesa brasileiro Luisão, após 16 temporadas ao serviço do Benfica, destacando o capitão dos benfiquistas como um "grande profissional".

"Durante todos estes anos elevou ao máximo o nosso campeonato e dignificou uma grande instituição como o Benfica, e, por isso, o nosso grupo de trabalho não podia deixar de lembrar a enorme carreira que teve", atirou Daniel Ramos.

O Benfica, um dos líderes da I Liga, com os mesmos 13 pontos que o Sp. Braga, visita quinta-feira, às 20.15, o Desportivo de Chaves, 10º classificado com seis pontos, em jogo da sexta jornada que se realiza no Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves.

Resposta a Sérgio Conceição

Confrontado com as críticas de antijogo por parte de Sérgio Conceição após o jogo entre FC Porto e Desp. Chaves para a Taça da Liga, que terminou empatado a um golo, Daniel Ramos recorda que não recebeu qualquer crítica no encontro em que os transmontanos perderam por 0-5 no Dragão, na 1.ª jornada da I Liga.

"Não nos criticaram quando perdemos por 5-0. Por vezes olhamos só para o nosso umbigo e esquecemos o resto que acontece no jogo. Em alguns momentos temos uma estratégia para quebrar o ritmo do jogo. É normal e feito por qualquer equipa em qualquer parte do mundo", atirou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG