Claque Diretivo XXI já foi notificada para sair do estádio. Segue-se a Juventude Leonina

Claques obrigadas a deixar espaços cedidos pelo clube antes do fim do protocolo.

A claque Diretivo XXI já foi notificada para deixar o espaço cedido pelo clube, debaixo das bancadas do Estádio José Alvalade, soube o DN. Medida prende-se com o fim do protocolo entre clube e duas das quatro claques afetas ao clube leonino.

O referido grupo organizado de adeptos (GOA), receberam ordem de expulsão através de carta registada e têm cinco dias para procederem desta forma.

Ainda segundo soube o DN a Juventude Leonina, a outra claque visada no fim do protocolo, ainda não recebeu a carta, que tem de ser levantada em mão na morada da claque ... em Alvalade. Mas é uma questão de tempo até o maior grupo organizados adeptos afetos ao Sporting deixar de poder usar as instalações do clube. Apesar do espaço conhecido como 'a casinha' estar debaixo de umas escadas do Complexo Alvalade XXI e ser propriedade da Câmara Municipal de Lisboa, o mesmo está cedido ao Sporting e por isso o clube pode dar-lhes ordem de expulsão.

No domingo, o Sporting anunciou que rescindiu "com efeitos imediatos" os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI - Associação, devido à "escalada de violência" recente. Isto depois da direção leonina sofrer insultos, ameaças e tentativas de agressão por alegados membros dos grupos organizados de adeptos (GOA) durante a vitória no futsal frente ao Leões de Porto Salvo (6-1), no Pavilhão João Rocha.

Esta é uma medida sem precedentes para os lados de Alvalade e por isso a direção de Frederico Varandas ainda estuda a implicações do mesmo. Isto porque há adeptos das claques com Gameboxe anual (embora comprada com desconto) a quem não poderá ser vedada a entrada no recinto. No entanto, e para já, com o terminar do protocolo, os GOA, perdem as regalias que decorriam desse mesmo protocolo. A saber: Direito à Gamebox (estádio e pavilhão), perdem o acesso aos preços especias (cerca de 50% do preço), perdem o direto a adquiri-los em mais prestações do que os restantes sócios, perdem o direito aos subsídios de viagens (jogos regulares) e também aos subsídios paras viagens extraordinárias (fases finais e a eliminar), perdem direito a participarem nas coreografias comuns e perdem os bilhetes cujo preço decorria do protocolo. Segundo o protocolo, as duas claques tinham acesso aos 875 bilhetes pré-pagos por jogo.

Na terça-feira, no jogo de hóquei em patins, no Pavilhão João Rocha, e, na quinta-feira, no Estádio José Alvalade, no jogo da Liga Europa, com o Rosenborg, as claques respeitaram as restrições impostas pela direção leonina, mas não se coibiram de pedir a demissão do presidente Frederico Varandas no final da partida.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG