Chikorita, a super-mulher que subiu a três vulcões em menos de 24 horas

A ultramaratonista mexicana Alex Roudayna conseguiu um feito invulgar. Em pouco mais de 20 horas, venceu o frio glaciar e muitas outras condições adversas para fazer o que nenhuma mulher tinha feito.

Alex 'Chikorita' Roudayna, ultramaratonista 30 anos, entrou na história ao alcançar uma proeza invulgar. Tornou-se a primeira mulher a escalar três vulcões em menos de 24 horas. A atleta mexicana precisou apenas de 22 horas, 20 minutos e 20 segundos para subir ao topo dos vulcões de Orizaba (5 636 metros de altitude), Iztaccíhuatl (5 230 metros) e Nevado de Toluca (4 680 metros), todos eles no México, separados por pouco mais de 600 quilómetros.

"Aproveita a oportunidade quando ela chegar e prepara-te para o fazeres tu mesmo. Quando aceitei isto sabia que não estava preparada...", afirmou a atleta da Red Bull, em declarações ao site da empresa de bebidas energética. Foi assim que Roudayna, nascida em Quintana Roo na região mais importante do turismo de veraneio mexicano, partiu à aventura no passado mês de dezembro.

Era a primeira vez que tentava subir a grandes altitudes, com terrenos acidentados e mudanças de temperatura extremas. O grande segredo deste feito inédito foi a sua preparação mental. "Os dias que antecederam a prova foram complicados mentalmente, porque as perguntas eram muitas, afinal ia enfrentar algo que desconhecia. Quando chegou o momento, deixei de me dispersar e foquei-me no objetivo que tinha, sem pensar o que poderia acontecer ou quantas horas faltavam", referiu numa entrevista ao jornal desportivo online Mediotempo.

Chegar ao Pico, passando pelo glaciar

O primeiro objetivo estava no cimo do Pico de Orizaba, a montanha mais alta do México coberta pelo maior glaciar do país, situada a 5 636 metros de altitude. A jornada começou às quatro da manhã, com uma temperatura de sete graus negativos, um nível de oxigénio de apenas 58% e na mais profunda escuridão.

Acompanhada por Marcos Ferro, ultramaratonista e fotógrafo, e ainda Helios Neto, realizador de filmes de aventura, Alex Roudayna gastou cinco horas a chegar ao ponto mais alto, mas começou logo a ganhar o desafio quando demorou apenas 45 minutos a percorrer o glaciar, que normalmente leva três horas a ser ultrapassado.

"No Pico estava muito mais frio do que no glaciar. Chegar ao cume foi muito emocionante porque tinha de focar-me e havia muito pela frente, afinal, eram montanhas muito diferentes", revelou ao jornal Reporte Indigo.

Cumes falsos e terreno pesado

Seguiram-se mais cinco horas de automóvel até chegar a Iztaccíhuatl. Na viagem a ultramaratonista aproveitou para descansar e recuperar energias. Chegado ao segundo e mais complicado objetivo, Chikorita deparou-se com extensas encostas cobertas de areia, cordilheiras altas, rochosas e cobertas de gelo.

Foi uma luta contra o desgaste físico e psicológico, mas a meta foi atingida. "Iztaccíhuatl foi, para mim, muito difícil porque se tornou um terreno muito pesado. Mentalmente tornou-se mais longo por ter cumes falsos... pensamos que já lá estamos, mas afinal é preciso continuar a caminhar", assumiu, lembrando que esta é a altura em que "é preciso ser apaixonado" pelo que está a fazer.

Foi depois de algumas lágrimas, muita persistência que iniciou uma interminável viagem de automóvel por ter ficado duas horas e meia parada no trânsito quando teve de passar pela caótica Cidade do México.

Lágrimas e abraços na madrugada

Eram já 22.45 horas quando Roudayna iniciou a subida ao topo do Nevado de Toluca, situado a 4 680 metros de altitude. Aí, o mais difícil não era o fator psicológico, mas sim o físico, afinal a prova ia terminar pela madrugada dentro e o tempo estava a esgotar-se. As ténues luzes da lanterna que leva iluminava o caminho, ao mesmo tempo que o vento se fazia ouvir e sentir...

"No Nevado já estava muito escuro. Já lá cheguei cansada", admitiu a ultramaratonista mexicana, que 22.20 horas depois da partida completava o objetivo, entre lágrimas e abraços que selavam uma proeza: Chikorita era a primeira a subir ao cume de três vulcões em apenas 24 horas.

"Foi uma experiência que me permitiu crescer muito como pessoa. Os sete dias anteriores à prova foram uma espécie de curso intenso de montanhas, no qual aprendi com muitas pessoas. Naquele dia em particular, dediquei-me a aproveitá-lo, porque me concentrei apenas em continuar a avançar. Creio que cresci durante toda a preparação até chegar à meta", explicou Alex Roudayna, que leva uma vida inteira dedicada ao desporto, pois em criança praticou taekwondo e remo, mas só na idade adulta descobriu a paixão pela corrida. Agora, tornou-se numa especialista em "derrubar" vulcões... qual será o próximo desafio?

Mais Notícias