Barcelona acusado de recorrer a perfis falsos nas redes sociais

Clube contratou empresa por um milhão de euros para defender, alegadamente, interesses do presidente Josep Bartomeu através de publicações efetuadas nas redes sociais. Em comunicado, o Barcelona nega a criação de perfis falsos.

A direção do Barcelona está a ser acusada de ter entrado na "guerra suja" das redes sociais ao contratar uma empresa para fazer publicações no Facebook e no Twitter defendendo o atual presidente e atacando opositores, ex-.jogadores e até atletas do atual plantel, como Messi. Em comunicado, o Barcelona assume que recorre aos serviços da I3 Ventures mas nega que haja a criação de "perfis falsos".

Segundo informações avançadas pela Cadena Ser, o clube presidido por Josep Maria Bartomeu terá pago cerca de um milhão de euros em seis faturas à empresa I3 Ventures para que, alegadamente através de perfis falsos do Facebook e Twitter, defendesse os interesses do presidente do clube. Isto terá acontecido sem o conhecimento de vários diretores do conselho de administração do clube catalão, que, contactados pela imprensa espanhola, têm mostrado surpresa e indignação.

Os perfis dedicaram-se nos últimos tempos a atacar ex-presidentes como Joan Laporta ou Víctor Font, inimigos declarados de Bartomeu como o empresário Jaume Roures, ex-jogadores do Barcelona, como Pep Guardiola, Xavi Hernández ou Carles Puyol, e até mesmo membros da atual equipa do Barça, como Leo Messi ou Gerard Piqué.

"Uma atmosfera muito espanhola é respirada na Caja Mágica de Piqué. O jogador de futebol deixou de lado a sua visão mais política na busca do sucesso da competição", pode ser lido numa das contas, Justicia y Diálogo en el Deporte, em novembro de 2019. Muitos jornalistas também foram monitorizados, segundo avança a Cadena Ser.

De acordo com as informações divulgadas pelo programa 'Què T'hi Jugues' da Cadena Ser Catalunha, o braço direito de Bartomeu no clube, Jaume Masferrer, viajou para a Argentina em 2017, onde a empresa tem sede, para estabelecer os termos do contrato. Algumas das contas 'falsas' foram criadas entre outubro e novembro de 2017. Além dos elogios ao trabalho de Bartomeu, nos posts publicados nas diversas contas acusam Messi de adiar a renovação, ridicularizando a mulher do atacante argentino Antonella Roccuzzo, atacaram Piqué e até apontaram o dedo à equipa, referindo-se aos jogadores como "frustrados e abastados".

A conta "Justicia y Diálogo en el Deporte", uma das mais ativas do Facebook, além de criticar as posições de independência da região catalã, com referências insistentes a Pep Guardiola, Xavi Hernández ou Joan Laporta, procura também criar uma opinião sobre as organizações que governam o futebol espanhol. Assim, vários posts críticos podem ser encontrados sobre o trabalho de Luis Rubiales à frente da Federação Espanhola de Futebol, mas também há críticas ao seu rival nas próximas eleições para a presidência, Iker Casillas.

O Barcelona reagiu através de um comunicado em que nega que a contratação da I3 Ventures visasse fazer críticas ou tem qualquer relação com a criação de perfis falsos. Aponta que as referidas contas das redes sociais não pertencem à I3 Ventures e que se isso acontecesse o clube rescindiria imediatamente os contratos.

"A I3 Ventures, fornecedora do clube, não tem vínculo com essas contas e, se qualquer tipo de relacionamento for demonstrado, o clube encerrará imediatamente o relacionamento contratual e tomará as medidas legais apropriadas", lê-se no comunicado do Barça.

Nesta nota, o Barcelona "confirma que contratou serviços de monitorização de redes sociais para conhecer as mensagens positivas e negativas das quais a entidade é o objeto", concluindo que "com a contratação desses serviços, o clube garante a proteção e a preservação da sua reputação",

Mais Notícias

Outras Notícias GMG