Antero Henrique sob fogo cerrado no Paris Saint-Germain

O português diretor desportivo do campeão gaulês está com vida difícil na capital francesa. Treinador, capitão e até o presidente do Bayern Munique parecem de costas voltadas para o antigo dirigente do FC Porto

Não está a ser fácil este início de temporada para Antero Henrique, atual diretor desportivo do Paris Saint-Germain. A situação começa a ganhar uma dimensão apreciável a partir do momento em que o capitão do PSG, o brasileiro Thiago Silva, deixou Antero Henrique numa posição desconfortável depois da derrota desta terça-feira com o Liverpool, em Inglaterra, por 3-2, em partida da 1.ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

O internacional canarinho foi questionado pelo facto de o PSG ter atuado em Anfield com defesas e extremos no meio-campo, ou seja esse setor estava desfalcado (Thiago Motta terminou a carreira, Verratti estava castigado) e não havia elementos daquela posição para os substituir. "Porquê os jogadores fora de posição no meio-campo? Perguntem ao Antero Henrique", disse Thiago Silva, numa resposta a fazer lembrar o célebre "Perguntem ao Carlos" de Cristiano Ronaldo após a eliminação de Portugal no Mundial 2010, na África do Sul.

Relembre-se que Thiago Silva não é propriamente um estranho para Antero Henrique, pois ambos coabitaram no Dragão no ano de 2005.

O conceituado jornal francês Parisien enuncia alguns dos problemas que se passam no seio do emblema parisiense e quase todos vão dar ao português que, segundo aquela publicação, mal fala com o treinador, o alemão Thomas Tuchel, descontente com o trabalho efetuado no mercado por Antero Henrique. O Parisien adianta que Antero é muito criticado por não ter conseguido um médio de renome. Teve três alvos - N'Golo Kanté, Milinkovic-Savic e Renato Sanches - e nenhum deles assinou pelo PSG. O central contratado, o alemão Thilo Kehrer, terá passado à margem de Antero Henrique e a operação terá sido mesmo liderada por Tuchel, compatriota de Kehrer.

No início de setembro, o presidente do Bayern, Uli Hoeness, dirigiu uma acusação violenta a Antero Henrique, tendo como pretexto as negociações entre os dois clubes pelo central Boateng, que acabaria por permanecer em Munique. "Aconselho o PSG a despedir o seu diretor desportivo. Esse homem não é uma boa carta de apresentação para a equipa. Se o PSG quer ser um clube de top mundial, não pode ter um diretor desportivo como esse senhor", disse o bávaro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG