Alisson vai ser o guarda-redes mais caro do mundo e tem ligação ao Belenenses

O guardião titular da seleção brasileira está a caminho do Liverpool por cerca de 75 milhões de euros. O futebolista é irmão de Muriel, que atualmente defende as cores do Belenenses. E deve-lhe a carreira.

Alisson Ramses Becker, 25 anos, o homem que defendeu as redes da seleção brasileira no Mundial da Rússia, está a um passo de entrar na história do futebol como o guarda-redes mais caro de sempre. O Liverpool está louco para o contratar e já existe um princípio de acordo com a Roma para a transferência: cerca de 75 milhões de euros, um número impressionante tendo em conta a posição onde joga - o Chelsea também estava na corrida, pois pode perder Courtois. Até hoje, o mais caro foi Gianluigi Buffon, que em 2001 trocou o Parma pela Juventus por 53 milhões de euros. E logo a seguir surge Ederson, que trocou o Benfica pelo Manchester City por 40 milhões em 2017.

Há uma curiosidade que liga Alisson a Portugal. E não é a língua. O irmão Muriel é guarda-redes do Belenenses e por ser mais velho teve uma influência enorme no facto de o titular das redes brasileiras ter seguido esta carreira. Aliás, recentemente, num texto publicado no site Players's Tribune, Alisson fez uma declaração de amor ao irmão: "Se você ler isto, mano, saiba que cada defesa que eu fizer no Mundial da Rússia é sua também. O meu sucesso é o seu sucesso, porque nós somos parte da mesma história. Por isso, eu serei sempre grato."

O texto carregado de emoção que Alisson escreveu no Player's Tribune, aliás, foi praticamente dedicado a Muriel, cinco anos mais velho. Com o título "Esta é para o meu irmão", contou a história de como o agora guarda-redes do Belenenses o guiou e moldou. "Na verdade, na passagem para a adolescência, eu nem era o melhor guarda-redes da minha família. O meu irmão Muriel, que é cinco anos mais velho do que eu, também é guarda-redes, e, cara, ele adorava provocar-me. Ele sabia exatamente o que fazer para que eu perdesse a paciência. Eu penso que todos os irmãos mais velhos têm esse talento. Mas, de certa maneira, ele ajudou-me a aprender a controlar as minhas emoções. Ele é a pessoa mais importante na minha história."

"Desde que nós jogávamos na mesma posição pela mesma equipa, as pessoas sempre nos comparavam. Era tipo assim, 'O Alisson vai ser melhor do que o Muriel?'" Alguns respondiam que sim, outros respondiam que não. Eu mesmo não queria muito comparar-me com meu irmão... mas tenho de admitir, ele era como um alvo para ir atrás. Como profissional, eu tinha de me comparar com aqueles que estavam acima de mim", admitiu.

Alisson só podia dar guarda-redes. E não só por causa do irmão. É que o ADN da baliza está presente na família Becker. O bisavô foi guarda-redes na equipa da cidade onde nasceram, em Novo Hamburgo. O pai jogava à baliza nas peladas com os amigos ao fim de semana. Até a mãe foi guarda-redes, neste caso de andebol.

O internacional brasileiro começou a carreira no Internacional de Porto Alegre. Foi levado, pois claro, pelo irmão Muriel, a quem haveria de roubar anos mais tarde a titularidade no clube onde se afirmou e depois a Dida (também internacional brasileiro) o lugar na baliza do Internacional - estreou-se em 2014 contra o Fluminense, no Campeonato Brasileiro.

Rivalidade/amizade de irmãos no Internacional

As boas atuações (que culminaram com a chamada à seleção brasileira, em 2015, pela mão de Dunga) chamaram a atenção de vários clubes de topo europeu. Acabou por escolher a Roma (custou 7,5 milhões de euros) e fez a sua estreia em provas europeias na Liga dos Campeões diante do FC Porto (1-1, no playoff). Na primeira temporada não se assumiu como titular absoluto, e só com a venda de Szczesny para a Juventus pegou de estaca no onze dos romanos na temporada passada.

Apesar da eliminação do Brasil nos quartos-de-final do Mundial 2018, diante da Bélgica, as exibições de Alisson agradaram a vários tubarões europeus. O Liverpool, treinado pelo alemão Jurgen Klopp, está na pole position para assegurar a contração (não vai ocupar vaga de extracomunitário por ter também nacionalidade alemã). De acordo com a BBC, os dois clubes já acertaram a transferência, por valores a rondar os 75 milhões de euros. Falta apenas o entendimento com o guarda-redes que vai substituir Lorius Karius, guarda-redes que ficou marcado pela exibição (dois erros colossais) na final da Liga dos Campeões que o Liverpool perdeu para o Real Madrid em maio.

O guarda-redes foi ontem apanhado pelos jornalistas no aeroporto de Roma, supostamente em trânsito para Inglaterra, mas remeteu-se ao silêncio. Nesta quinta-feira deverá então discutir os termos do contrato que o vão tornar no guarda-redes mais caro da história do futebol.

"O Alisson é o Messi dos guarda-redes. Faz-me lembrar o Dino Zoff e o Michel Preud'homme. Penso que as pessoas não têm bem noção do valor dele. Este rapaz é um fenómeno. É o número 1 dos guarda-redes", disse há uns meses Roberto Negrisolo, antigo treinador de guarda-redes da Roma.

Top 10 dos guarda-redes mais caros de sempre

1. Gianluigi Buffon (Parma para a Juventus), 53M

2. Ederson (Benfica para o Manchester City), 40M

3. Manuel Neuer (Schakle 04 para o Bayern Munique), 30M

4. Jordan Pickford (Sunderland para o Everton), 28,5M

5. Francesco Toldo (Fiorentina para o Inter), 26,5M

6. Bernd Leno (B. Leverkusen para o Arsenal), 25M

7. David de Gea (Atlético Madrid para o Manchester United) 25M

8. Alex Meret (SPAL para o Nápoles), 22M

9. Sebastien Frei (Inter para o Parma), 21M

10. Angelo Peruzzi (Juventus para o Inter), 19M

Mais Notícias

Outras Notícias GMG