Vítor, o guarda-redes adventista que descansa aos sábados

Culto da Igreja Adventista coloca em risco a carreira de Vítor. Religião já o impediu de ir para o Chapecoense ganhar o triplo

E se o guarda-redes titular do seu clube decidisse não jogar nem treinar aos sábados? É, de facto, uma situação invulgar e incompatível com a carreira de futebolista, uma vez que esses são habitualmente dias de jogos, muitos jogos.

Carlos Vítor da Costa Ressurreição é o nome completo do guarda-redes do Londrina que resolveu desafiar a tradição... por razões religiosas. Vítor, como é conhecido no futebol, ajudou o seu clube a subir à Série B do campeonato brasileiro, tornando-se mesmo o melhor jogador da temporada. As suas exibições valeram-lhe um convite do Chapecoense, clube da Série A, para ganhar o triplo, mas a sua crença na Igreja Adventista era mais forte e importante... e ela obriga ao descanso desde o pôr do Sol de sexta-feira até ao final do dia de sábado.

Aos 31 anos, esta era a oportunidade de uma vida. Os clubes acertaram a transferência, mas no momento em que foi comunicada a proposta ao jogador a resposta foi surpreendente. Aceitaria se não jogasse ao sábado... Na hora, o Chapecoense desistiu da contratação e virou-se para... Portugal, onde conseguiu junto do Sporting o empréstimo de Marcelo Boeck.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG