Um jogo, espetáculo e negócio em formato XL

Denver Broncos e Carolina Panthers lutam hoje pelo título da NFL. Mas o que impressiona são os números - de comida, publicidade e receitas - fora das quatro linhas

Os bilhetes custavam entre seis e doze euros, um terço do estádio estava vazio, a transmissão televisiva (e publicidade associada) não valia milhões e houve até quem duvidasse de que aquele género de evento tivesse futuro: custa a crer mas foi assim o primeiro Super Bowl, em 1967. Hoje, dia da edição n.º 50, tudo é diferente: o Levi"s Stadium, em Santa Clara, Califórnia, recebe um jogo, um espetáculo e um negócio de dimensões gigantescas (às 23.30 na Sport TV2). Denver Broncos e Carolina Panthers lutam pelo título de campeão da NFL, a liga de futebol americano dos EUA.

O duelo é entre losers e outsiders: Os Denver Broncos são recordistas em finais (esta é a oitava) e em derrotas (cinco), enquanto os Carolina Panthers procuram a primeira vitória (apenas participaram no Super Bowl em 2004 e perderam). Porém, aqui, a tradição das equipas pouco importa: a dimensão da final vai muito para lá disso. O Super Bowl vive do carisma dos atletas (este ano, Peyton Manning e Cam Newton são as referências) e do big show que o envolve fora das quatro linhas.

Segundo a revista Forbes, o mais importante jogo de futebol americano a nível mundial gera, para a NFL, receitas de 620 milhões de dólares (568 milhões de euros), através da venda de conteúdos mediáticos, merchandising e bilhetes e da concessão de espaços comerciais junto ao estádio. E o impacto na economia do país é muito maior: no ano passado foi estimado em mais de 14 mil milhões de dólares (12,8 mil milhões de euros, ao câmbio atual).

A área da Baía de San Francisco, região californiana que não recebia um Super Bowl desde 1985, é a que mais ganha com o evento: espera lucrar mais de 350 milhões de dólares com os visitantes. E não poupa esforços - até promoveu a "relocalização" de parte dos sete mil sem-abrigo da zona, para não entrarem em "conflito" com o ambiente festivo que vai tomar conta de Santa Clara.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG