A cartada de Shevchenko estava no 'banco', mas a Suécia merecia os penáltis

Ucrânia venceu a Suécia por 2-1, após prolongamento, em Glasgow, na Escócia. Vai agora defrontar a Inglaterra, no sábado, no Estádio Olímpico de Roma, em Itália.

A Ucrânia venceu esta terça-feira a Suécia por 2-1, após prolongamento, e apurou-se para os quartos de final do Euro2020 de futebol, com um golo de Dovbyk, que 'saltou do banco' ao minuto 106.

A seleção do Leste europeu adiantou-se no marcador aos 27 minutos, por Zinchenko, que viria a ser uma das grandes figuras do jogo, a par com o sueco Forsberg, a concluir com uma excelente jogada coletiva, que envolveu mudança de flanco e uma 'trivela' preciosa de Yarmolenko para o lateral esquerdo do Manchester City finalizar, com um remate que ainda tabelou num defesa sueco e enganou o guarda-redes Olsen.

A Suécia restabeleceu a igualdade, com toda a justiça e mérito, aos 43 minutos, por Forsberg, o melhor jogador da Suécia na partida, com um remate de fora da área com o pé esquerdo, após um passe de Isak, que também sofreu um desvio na sua trajetória depois de embater num defesa ucraniano.

Este golo teve o condão de colocar justiça no marcador depois de uma primeira parte aberta, intensa, com as duas equipas a repartirem o jogo, a quererem ganhar, a criarem inúmeros lances de perigo junto às duas balizas.

Na segunda parte, o jogo continuou excitante face à postura ambiciosa das duas equipas, Yarmolenko aos 54 minutos fez a bola embater no poste sueco, a culminar excelente jogada no flanco direito do seu ataque, dois minutos depois foi a vez de Forsberg rematar com estrondo ao poste após um lance de contra-ataque conduzido por Isak.

Suécia em inferioridade numérica

O jogo partiu mais ainda na segunda parte e podia ter pendido para qualquer dos lados, com Kulusevski a proporcionar, aos 66 minutos, uma defesa monumental ao guarda-redes Bushchan, com Olsen a responder no outro lado do campo ao parar um remate de Yarmolenko num lance de contra-ataque.

No entanto, o gesto técnico mais espetacular do jogo foi protagonizado por Forsberg, aos 69 minutos, após uma incursão do central Lindelof, ex-Benfica, no meio-campo ucraniano, com Forsberg a atirar a bola à barra, naquele que seria um dos golos mais espetaculares deste Euro2020.

O equilíbrio acabou por ditar a necessidade de um prolongamento, no qual a Suécia cedo se viu em inferioridade numérica, por expulsão do central Danielson, aos 99 minutos, por uma entrada violenta sobre Besedin, que tinha entrado em campo oito minutos antes a render Yaremchuk, a ponto de este não ter podido continuar em campo.

A selecionador sueco, Janne Anderson, reequilibrou a equipa com a entrada do central Helander, esta baixou o seu bloco, e controlou o jogo e uma Ucrânia que, estranhamente, nunca pareceu com muita vontade de arriscar um pouco para evitar o recurso aos penáltis.

Mesmo as alterações introduzidas por Shevchenko iam ao encontro dessa postura cautelosa, mas a verdade é que a sua equipa chegou ao triunfo aos 120+1 através de um jogador que saltou do 'banco' ao minuto 106, Dovbyk, ao desviar de cabeça um cruzamento 'suculento' de Zinchenko.

Nos quartos de final, a Ucrânia defronta a Inglaterra, que bateu a Alemanha por 2-0, num encontro marcado para sábado, pelas 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no Estádio Olímpico de Roma, em Itália.

O ucraniano Oleksandr Zinchenko foi eleito pela UEFA como o melhor jogador em campo.

Atualizado às 00:03

Mais Notícias

Outras Notícias GMG