Tyson vs. Holyfield. O remake da orelha arrancada está em marcha

Há negociações em curso para a realização neste ano de um combate de exibição entre os dois pugilistas que em 1997 foram protagonistas de uma luta histórica que terminou com Tyson a arrancar a orelha ao rival. Evento pode gerar receitas de 200 milhões de dólares.

A hipótese foi levantada várias vezes nos últimos anos e deixou na expectativa milhões de fãs. Mas não passou disso mesmo, de uma intenção. Agora, contudo, a possibilidade é mais séria e parece que o combate vai mesmo avançar ainda neste ano - Mike Tyson e Evander Holyfield, antigos campeões do mundo de pesos-pesados e atualmente cinquentões, deverão defrontar-se numa luta de exibição, que provavelmente irá realizar-se no Qatar, e que promete movimentar milhões de dólares.

De acordo com a imprensa inglesa, neste momento existem contactos entre os representantes dos dois antigos pugilistas no sentido de o combate ser mesmo uma realidade. "Aquilo que posso adiantar é que existem conversas entre os meus representantes e os de Mike Tyson. Espero uma resposta definitiva para breve. Já estou a treinar para isso, porque sei que um dia este combate vai mesmo acontecer. E quero estar pronto", referiu Holyfield à imprensa inglesa.

O ex-pugilista norte-americano foi mais longe e chegou a avançar com verbas. "Acredito que um combate entre nós pode gerar receitas de cerca de 200 milhões de dólares. Agora ele terá de responder e ver se chegamos a um acordo. Ficarei muito feliz se ele aceitar. Acredito que sim", atirou.

A imprensa britânica adiantou nos últimos dias que as negociações estão avançadas e que o combate deverá realizar-se no Dubai, embora não tenha avançado com uma data. A acontecer, será o terceiro frente-a-frente entre os dois antigos campeões do mundo de pesos-pesados. Tyson está atualmente com 54 anos; Holyfield tem 58.

Há muitos anos que se fala na hipótese de uma luta entre os dois monstros da história do boxe. Ainda recentemente, por ocasião do combate de exibição entre Tyson e Roy Jones Jr., em dezembro, os dois pugilistas trocaram "mimos" e picaram-se. "Não há mais desculpas. Vamos entrar no ringue e dançar mais uma vez. É hora de dar ao mundo o que todos realmente querem ver", desafiou Holyfield nas redes sociais, ele que ao longo dos últimos anos tem insistido na ideia sempre através de provocações ao rival.

Tyson e Holyfield defrontaram-se apenas duas vezes nos ringues. E um dos combates ficou para história devido a um episódio insólito. Em junho de 1997, em Las Vegas, nos Estados Unidos, decorria o terceiro round do combate que valia o título mundial de pesos-pesados, quando Tyson aproveitou um clinch para morder e arrancar um pedaço da orelha de Holyfield. Foi obviamente desclassificado e o adversário declarado vencedor.

Só anos mais tarde os dois pugilistas fizeram as pazes. Em outubro de 2009, no programa de Oprah, Tyson pediu desculpa a Evander e até fez pressão para o ex-adversário ser nomeado para o hall of fame do desporto. Mas foi em 2013 que as tréguas foram devidamente assinaladas, quando num evento público os dois se abraçaram. "Eu adoro o Evander, estaremos unidos durante toda a vida", disse Mike Tyson. "Ele gostou que o tivesse perdoado e, ele próprio, também já se perdoou. A vida dá muitas voltas", declarou Evander Holyfield.

Nesse mesmo ano de 2013, num golpe de marketing, uma campanha publicitária juntou os dois pugilistas. No anúncio, Tyson pedia desculpas a Holyfield e devolvia-lhe a orelha. De seguida, Evander deu-lhe um abraço como que a selar a paz entre ambos. O slogan do anúncio era "Perdoar e Esquecer".

O outro combate entre os dois pugilistas foi anterior - realizou-se em novembro de 1996, em Las Vegas. Foram precisos 11 rounds para a luta terminar, com o árbitro a dar por concluído o combate e a declarar Holyfield vencedor por KO técnico. Tyson perdeu o cinturão para o rival.

No rasto da orelha

O paradeiro da orelha de Holyfield chegou a ser tema de uma grande reportagem no The New York Times dias depois do combate. De acordo com o jornal norte-americano, o bocado da orelha que foi cuspida por Tyson para o chão foi encontrada por Mitchell Libonati, um empregado de hotel que estava a assistir ao combate, que a enrolou numa luva de látex e a tentou devolver ao dono.

Libonati terá ido até ao balneário onde se encontrava Holyfield para devolver o bocado arrancado e entregou-a a um guarda-costas que se encontrava no local. Este terá colocado o pedaço da orelha num balde com gelo. Mas estranhamente acabou por desaparecer.

Esta foi a versão do The New York Times, mas uma outra foi contada no livro The Bite Fight: Tyson, Holyfield and the Night that Changed Boxing Forever, na qual o jornalista George Willis garante que Brian Rogers, o paramédico de serviço no combate, guardou a orelha num saco de plástico vermelho dentro da ambulância.

O paramédico deixou depois Holyfield e o saco com o pedaço da sua orelha no Valley Hospital Medical Center, onde o pugilista ficou aos cuidados do cirurgião plástico Julio Garcia. Mas quando Garcia abriu o saco ficou dececionado. "Havia um pedaço da pele, mas não da cartilagem", constatou na altura, deixando o bocado da orelha ao cuidado de uma enfermeira.

Quando se estava a preparar para a operação, o saco tinha desaparecido e nunca mais foi encontrado. "Garcia suspeita que deve ter sido atirado fora acidentalmente ou então que alguém o tivesse levado intencionalmente", conta o jornalista no livro.

No mesmo livro é contado que horas depois da operação, alguém ligou para o hospital a dizer que tinha encontrado outro pedaço da orelha, este com cartilagem. Mas como a operação já tinha sido feita, já não era necessário. E até hoje ninguém sabe muito bem o que lhe aconteceu.

Mas há mais teorias. Em 1997, numa reportagem do jornal brasileiro Folha de S. Paulo, um corretor de imóveis garantiu que pagou 18 mil dólares a um empregado de hotel, que se supõe ter sido Mitchell Libonati, pela orelha de Holyfield. Ainda no livro de George Willis é levantada a hipótese de a orelha ter sido leiloada em Nova Iorque por 25 mil dólares. Ou ainda uma outra que indicava que estava exposta num restaurante de Cincinnati.

Mike Tyson regressou aos ringues em dezembro para um combate de exibição contra Roy Jones Jr., 15 anos depois de ter lutado pela última vez. O duelo terminou empatado e no final Tyson doou a uma instituição de caridade os 10 milhões de dólares que recebeu de prémio. Já Holyfield, que se sagrou cinco vezes campeão do mundo de pesos-pesados, realizou o seu último combate em abril de 2010, que se saldou numa vitória frente ao dinamarquês Brain Nielsen. Desde então tem estado à espera de Iron Mike.

Tyson realizou ao longo da carreira um total de 58 combates, cujo saldo foram 50 vitórias (44 por KO) e seis derrotas. Já Holyfield participou em 57 lutas, das quais venceu 44 (29 por KO) e perdeu dez. Agora, o remake da orelha arrancada pode estar para breve. Não será uma luta tão intensa como nos dois duelos dos anos 1990. Mas por toda a história terá certamente tanta ou mais audiência, e certamente irá movimentar muito mais dinheiro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG