Superliga. Dono do Liverpool pede desculpa aos adeptos pelo "transtorno" causado

O empresário norte-americano John W. Henry reconheceu que a Superliga europeia de futebol não terá sucesso sem o pleno apoio dos adeptos.

O principal proprietário do Liverpool, o norte-americano John W. Henry, pediu desculpa aos adeptos pela participação do clube no projeto da Superliga europeia de futebol, que, entretanto, abandonou.

"Quero desculpar-me com todos os adeptos e aos que apoiam o clube de futebol Liverpool, pelo transtorno causado nas últimas 48 horas", disse o empresário norte-americano, num vídeo publicado na conta do Liverpool na rede Twitter.

A mensagem foi divulgada algumas horas após Liverpool, Manchester United, Manchester City, Arsenal, Tottenham e, mais tarde, Chelsea terem abandonado o projeto da Superliga, cuja criação tinha sido anunciada no domingo.

"Nestas 48 horas, vocês foram muito claros de que não se manteria [o projeto]. Escutámo-los, eu escutei-vos", explicou o responsável do Liverpool, numa mensagem dirigida aos adeptos do campeão inglês.

John W. Henry reconheceu que a Superliga Europeia de futebol não terá sucesso sem o pleno apoio dos adeptos.

No domingo, 18 de abril, AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham anunciaram a criação da Superliga europeia, à revelia de UEFA, federações nacionais e vários outros clubes.

Seis clubes ingleses abandonam Superliga europeia

A competição deveria ser disputada por 20 clubes, 15 dos quais fundadores - apesar de só terem sido revelados 12 - e outros cinco, qualificados anualmente.

Entretanto, a UEFA anunciou que iria excluir todos os clubes que integrem a Superliga, assegurando contar com o apoio das federações de Inglaterra, Espanha e Itália, bem como das ligas de futebol destes três países.

Algumas horas depois, também com grande contestação dos adeptos e intervenção crítica do primeiro-ministro Boris Johnson, os seis clubes ingleses anunciaram a saída do projeto, no qual ainda se mantêm o Real Madrid, FC Barcelona, Atlético de Madrid, Juventus, Inter de Milão e AC Milan.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG