Sporting não coloca hipótese de renegociar com o Leicester

Departamentos jurídicos dos dois clubes tentam juntar argumentação para as duas instâncias de recurso. Jurista Bernardo Moraes Palmeiro não vê a FIFA a ser sensível

A rejeição da inscrição de Adrien Silva, por parte da FIFA, como futebolista do Leicester deixou no ar um manto de expectativa sobre o futebolista e mesmo no que diz respeito ao negócio.

Como o DN avançou terça-feira não existe qualquer cláusula no contrato de transferência que permita o retrocesso da operação. Inclusivamente, o Sporting recebeu à cabeça uma tranche. Contudo, no dia de ontem, o Leicester Mercury, jornal bem posicionado junto do campeão inglês em 2016, avançou com a possibilidade de o negócio desmoronar .

Pois bem, o DN sabe junto de fonte conhecedora do processo que o Leicester não manifestou intenção de renegociar o acordo e, tendo em conta o tom entre os dois clubes, o Sporting, ao que apurou o DN, não equaciona essa situação.

Recorde-se a declaração de Bruno de Carvalho sobre o assunto, na entrevista à Sporting TV, e que parece esclarecedora: "A FIFA não se pronunciou quanto à transferência, porque essa está feita, pronunciou-se contra a inscrição. Espero que o Leicester consiga inscrever o Adrien, até porque precisam do jogador."

A verdade é que o Sporting, até ao fecho desta edição, não tinha ainda revelado os valores da transferência à CMVM.

Os 14 segundos e os recursos

A notícia foi dada por Bruno de Carvalho ontem à BBC. A transferência de Adrien falhou por 14 segundos: "Espero que o Leicester consiga encontrar uma solução junto da FIFA porque estamos a falar de um caso em que toda a documentação foi colocada no Transfer Matching System (TMS) dentro do tempo limite à exceção de um documento que entrou 14 segundos depois. Este tipo de inflexibilidade por parte da FIFA não é justa e espero que a federação inglesa possa falar com a FIFA de forma a encontrar uma solução justa."

Para o antigo jurista da FIFA, Bernardo Moraes Palmeiro, o organismo que superintende o futebol mundial não vai alterar a sua decisão. "Um ou 14 segundos é a mesma coisa. Penso que a FIFA não será flexível, porque a regra é a regra. Gostava de saber com base em quê que a Federação inglesa inscreveu o jogador porque segundo as regras internacionais só se pode inscrever um jogador quando se recebe um certificado internacional (CI) de transferência. Não sei se este registo é uma estratégia ou uma forma de pressão. O clube comprador, neste caso o Leicester, faz o upload dos documentos seguindo a instrução. Esta é confirmada e a federação do clube comprador faz o pedido do certificado à federação do clube vendedor. Para a FIFA o momento que define é a hora do pedido do certificado internacional. Nestes casos de pedidos de certificado em cima do prazo coincide com a hora do upload do último documento porque as federações estão em contacto com os clubes para não surgirem estes casos", explica o advogado que adianta que "o mais provável é o jogador ficar no Leicester". E explica porquê. "Portugal está fora de questão. O CI está em Portugal mas o contrato é com o Leicester. Num contrato de empréstimo o CI tem que viajar do país com quem o jogador tem contrato para o país em que ele vai jogar emprestado. No fim da cedência o clube que o empresta, neste caso o Leicester, está obrigado a pedir o CI de volta. Duvido que a FIFA autorizasse essa exceção porque o mercado em Portugal já está fechado. E a hipótese de ainda rumar a um campeonato em que o mercado está aberto ainda se sujeita à validação da FIFA porque o CI está em Portugal e ainda teria que passar por Inglaterra, mas é uma possibilidade que no entanto inviabilizaria que jogasse esta temporada no Leicester", complementa, não vendo potencial sucesso nas duas instâncias de recurso, que nunca deliberam contra a FIFA.

No entanto deixa uma ressalva: "A FIFA não vai mostrar sensibilidade a menos que haja algum dado que não seja conhecido publicamente. Se houve um corte de luz ou um problema no computador, no fundo algo que prove que as coisas não foram feitas a tempo devido a uma situação extraordinária."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG